Produtores de arroz do RS fazem protestos na fronteira

Porto Alegre, 19 - Os produtores de arroz do Rio Grande do Sul estão realizando protestos hoje em cidades da fronteira com a Argentina e o Uruguai contra o ingresso do grão importado destes países. Em São Borja, no oeste do Estado, cerca de 300 arrozeiros interditaram a Ponte da Integração, que liga a cidade gaúcha a Santo Tomé, na Argentina, por volta das 10h. Eles impediram o trânsito com 200 sacas de arroz e veículos estacionados no lado brasileiro da ponte. O presidente da Associação de Arrozeiros de São Borja, Pablo Muniz Silva, explicou que os protestos foram organizados para chamar a atenção dos integrantes da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Arroz, que será instalada hoje em Brasília, para a "concorrência desleal" do produto importado, em um ano em que o Brasil se tornou auto-suficiente no abastecimento de arroz. Os arrozeiros gaúchos argumentam que o grão importado chega com vantagens fiscais e aumenta a pressão sobre o mercado local. Eles criticam a isenção do PIS/Cofins para o arroz beneficiado e esbramado (no primeiro estágio de industrialização) importado. O preço médio da saca de 50 quilos pago ao produtor teve uma pequena valorização de 0,99% na semana passada, em relação à anterior, mas acumula queda de 4,66% no último mês, apesar do período de entressafra. No Rio Grande do Sul, o plantio da safra 2004/05 está em fase inicial, com cerca de 5% da área projetada, o que corresponde a 49 mil hectares, conforme estimativa da Emater/RS. O Instituto Rio-grandense do Arroz calcula o custo de produção do arroz irrigado em R$ 29,90 (saca).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.