Projeto de Serra para o Pontal desagrada MST

Brasília, 15 O Movimento dos Sem-Terra (MST) promete invadir fazendas e fechar rodovias no Pontal do Paranapanema, extremo oeste do Estado de São Paulo, para protestar contra o projeto do governador José Serra de regularizar as áreas com mais de 500 hectares na região. A proposta, encaminhada hoje à Assembléia Legislativa, deve permitir a regularização de 200 fazendas com área de 300 mil hectares, que são objeto de disputa pelo Estado sob a alegação de serem terras devolutas. As áreas são pretendidas pelo MST para abrigar assentamentos.De acordo com o coordenador regional Valmir Rodrigues Chaves, a medida do governador vai "legitimar a grilagem". Ele disse que o MST não concorda com a regularização mesmo que a condição seja a reversão de parte das terras para a reforma agrária. "Falou-se em 20%, mas é muito pouco. Nós (MST) e os outros movimentos temos 6 mil famílias acampadas na região. Será que o governador quer expulsar essas famílias de lá?" O líder recebeu a informação sobre o projeto quando participava do encerramento do 5º. Congresso Nacional do MST, hoje, em Brasília.Ele disse que o movimento não participou de discussões sobre essa proposta. "Os acampados estão esperando a retomada dessas terras e a destinação para assentamentos, que foi uma promessa do governo estadual." Chaves lembrou que o atual governador de São Paulo, quando estudante, lutou contra o regime e foi exilado. "Não acredito que hoje ele está do lado dos latifundiários." Além das invasões e bloqueio de rodovias, o MST pretende mobilizar deputados para tentar barrar o projeto na Assembléia. "O governo vai interferir numa questão que está sendo discutida na justiça." Em dezembro de 2003, o governo paulista já havia promulgado lei que regulariza a posse de fazendas com menos de 500 hectares.

José Maria Tomazela

15 de julho de 2007 | 11h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.