Projeto republicano para dívida dos EUA é aprovado na Câmara

Com 218 votos a favor e 210 contra, plano do líder do Partido Republicano, John Boehner, foi aprovado; votação segue para o Senado

Estadao.com,

29 de julho de 2011 | 19h26

Os deputados republicanos conseguiram superar parte das discordâncias internas e aprovaram o projeto de lei apresentado por seu companheiro de partido John Boehner, presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, para reduzir o déficit orçamentário e aumentar o teto da dívida norte-americana. O plano recebeu 218 votos a favor e 210 contra. Nenhum democrata foi favorável à legislação e 22 republicanos rejeitaram a proposta.

A vitória do Partido Republicano na Câmara, no entanto, deve ter vida curta, pois o projeto de lei dificilmente será aprovado no Senado, onde a maioria é democrata. Os senadores devem votar sobre o plano ainda hoje.

A proposta de Boehner prevê uma elevação de US$ 900 bilhões no limite de endividamento dos EUA, mas em contrapartida adota medidas para cortar o déficit orçamentário do país em US$ 917 bilhões ao longo dos próximos 10 anos. O aumento no teto da dívida seria suficiente para satisfazer as necessidades de financiamento do governo até fevereiro ou março do ano que vem. A partir deste período, porém, tanto a Câmara quanto o Senado precisarão chegar a um acordo sobre o orçamento para que o limite de endividamento fosse elevado novamente.

O líder da maioria democrata no Senado, Harry Reid, está defendendo um projeto de lei alternativo, que eleva o teto da dívida norte-americana e US$ 2,4 trilhões, ou o suficiente para suprir as demandas por financiamento até março de 2013.

A Casa Branca e os democratas são contrários ao plano republicano porque temem que um aumento no limite de endividamento por seis meses possa injetar mais incertezas durante um dos momentos mais importantes economicamente para o país - o Natal.

O projeto não deve passar no Senado, onde o líder da maioria, senador Harry Reid (democrata/Nevada), já apresentou seu próprio plano de elevação do limite da dívida.

O plano de Reid prevê o aumento do teto da dívida dos EUA e a redução do déficit do país em um único movimento, em vez de forçar o Congresso a retomar o debate antes das eleições de 2012.

O projeto foi defendido durante esta semana pela líder da minoria da Câmara dos EUA, a democrata Nancy Pelosi, que classificou como um "bom plano" a proposta de Reid para cortar US$ 2,7 trilhões do déficit na próxima década e elevar o teto da dívida, enfatizando que isso não levaria a mais um tenso debate no próximo ano.

(Texto atualizado às 19h53)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.