Protótipo de carro com asas voaria de São Paulo a Florianópolis

Veículo da empresa eslovaca AeroMobil se transforma, em poucos segundos, em um avião com autonomia para voar 700 km

Ian Chicharo Gastim, O Estado de S. Paulo

30 de outubro de 2014 | 17h51

O sonho de poder ter um carro voador, a exemplo de filmes de ficção científica como em "De Volta para o Futuro", está perto de se tornar realidade, graças a uma empresa da Eslováquia. 

A companhia AeroMobil apresentou nesta quarta-feira, 29, no Pioneers Festival, em Viena (Áustria), o protótipo AeroMobil 3.0, um veículo que circula normalmente pelas ruas como um carro, mas que, em poucos segundos, se transforma em um avião que consegue voar quando atinge 130 km/h.

O veículo, de apenas dois lugares, utiliza gasolina comum para funcionar e pode chegar até 200 km/h, como um avião, e até 160 km/h, como um carro. A autonomia é de até 700 km voando – distância aproximada entre São Paulo e Florianópolis – ou 875 km rodando.

De acordo com a AeroMobil, a fabricação em série do veículo começará em "dois ou três anos". Desde a década de 1990 trabalhando no projeto, a empresa eslovaca chegou ao seu quarto protótipo, que, inclusive, já foi testado em vôos neste mês. 


"Eu acredito que o AeroMobil 3.0 vai inspirar novas maneiras de se pensar a viagem pessoal. O veículo pode inaugurar diferentes maneiras de viajar, levando para um novo nível", disse Juraj Vaculik, cofundador e CEO da companhia.

Segundo a empresa, o projeto do AeroMobil 3.0 foi desenvolvido para o veículo ser regulamentado na União Europeia, com base na legislação prevista para carros e aviões de pequeno porte.

Com asas retráteis, o veículo pode ser estacionado em vagas para carros comuns. Como um avião, ele pode ser utilizado em aeroportos e tem ainda a habilidade de decolar na terra ou na grama, além de superfícies pavimentadas, em algumas centenas de metros. Para aterrissar, o veículo precisa de apenas 50 metros. 

Tudo o que sabemos sobre:
carro voadorprotótipoaeromobil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.