PSA Peugeot Citröen suspende acordo com montadora do Irã

A montadora General Motors disse nesta quarta-feira que sua parceira francesa, a PSA Peugeot Citroën, suspendeu todas as entregas de autopeças para uma fabricante iraniana de automóveis, com a qual a Peugeot tinha parceria. A GM disse que sua aliança com a Peugeot "cumpre totalmente as leis do governo dos Estados Unidos a respeito do comércio com o Irã".

ANDRÉ LACHINI, Agencia Estado

28 de março de 2012 | 19h51

A General Motors enfrentou críticas de grupos e entidades nos EUA que se opõem ao regime iraniano, por concordar em comprar 7% de participação acionária na montadora Peugeot Citroën. A Peugeot tinha uma longa parceria com a montadora Iran Khodro, para a qual fornecia autopeças para carros que são montados no Irã. Alguns analistas questionaram se, ao tornar-se a segunda maior acionista na Peugeot, a GM não estaria rompendo o embargo econômico dos EUA ao Irã. O governo dos EUA é um dos maiores acionistas na General Motors e tem 32% de participação acionária na montadora, informa o Wall Street Journal.

A GM disse "que nós discutimos essa questão com a Peugeot. Nós entendemos que eles tomaram essa decisão de suspender a produção e o envio de autopeças ao Irã há algum tempo - antes que nossa aliança entrasse em efeito - e decidimos continuar com essa suspensão. Nosso acordo com a Peugeot cumpre totalmente com as leis do governo dos EUA a respeito do Irã e não tem nenhuma intenção de beneficiar o Irã de qualquer jeito". O Tesouro dos EUA não fez comentários.

A Peugeot disse que não tem investimentos diretos no Irã, apenas vendia autopeças à Iran Khodro. Um porta-voz da Peugeot disse no começo de março que o acordo com a Khodro representou apenas 1,5% do faturamento da unidade automotiva da Peugeot em 2011. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
montadorasPeugeotIrãsuspensão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.