Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Quarta maior financeira do Japão pede concordata

A Takefuji Corp., a quarta maior empresa não-bancária de crédito ao consumidor do Japão, pediu concordata nesta terça-feira. A empresa, que tem 433,61 bilhões de ienes em dívidas, é a primeira do setor desde que este passou a operar sob uma regulamentação mais rígida, em 2006. A regulamentação foi adotada depois de o Supremo Tribunal japonês decidir que as empresas do setor estavam cobrando juros excessivos dos consumidores.

RENATO MARTINS, Agencia Estado

28 de setembro de 2010 | 18h02

Depois da regulamentação, companhias estrangeiras que operavam no setor deixaram o Japão, entre elas as norte-americanas General Electric e Citigroup.

O presidente da Takefuji, Akira Kiyokawa, e o vice-presidente executivo, Taketeru Takei (membro da família fundadora da empresa), assumiram responsabilidade pelas dificuldades enfrentadas pela companhia e renunciaram. O ex-diretor Junichi Yoshida assumiu a presidência.

Em entrevista coletiva nesta terça-feira, Yoshida disse que a empresa tentou vender ativos, mas, com as crescentes demandas judiciais de devolução de pagamentos de juros pelos tomadores, que poderão chegar a 1 trilhão de ienes, a empresa decidiu pedir concordata antes do vencimento, m 2011, de seus bônus corporativos, estimados em 92,6 bilhões de ienes no fim de agosto.

A Takefuji também informou que suas ações já não serão negociadas na Bolsa de Tóquio nesta quarta-feira.

As atenções agora voltam-se para as três maiores companhias do setor, a Acom, ligada ao banco Mitsubishi UFJ Financial Group, a Promise, ligada ao Sumitomo Mitsui Financial Group, e a Aiful, que não é ligada a nenhum banco é considerada mais vulnerável. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.