Queijo muçarela feito com leite de vaca é vendido como se fosse de búfala

Queijo muçarela feito com leite de vaca é vendido como se fosse de búfala

Laticínios aumentam mistura de leite comum para lucrar mais;saiba como identificar o verdadeiro para não ser ludibriado

O Estado de S. Paulo

25 Setembro 2014 | 10h37


SÃO PAULO - O tradicional queijo do tipo muçarela produzido com leite de búfala vem apresentando casos de adulteração, segundo a associação que congrega os fabricantes. Aproveitando-se do desconhecimento da grande maioria dos consumidores, fabricantes de queijo misturam leite de vaca, mais barato, em proporção acima dos 10% permitidos, como forma de aumentar os lucros.  

De acordo com o resultado de análises de uma amostra de 12 marcas pesquisadas, nove atendem aos padrões e três tiveram fabricantes apresentaram produtos fora dos padrões de pureza, com porcentuais que chegaram a até 90% de leite de vaca contra 10% de leite de búfala.

Dois dos fabricantes não informam na embalagem que o produto contém leite de vaca em sua composição, enquanto a terceira marca informa que há leite de vaca, mas não porcentual correto, acima do limite de 1%. 

Para tentar acabar com a falsificação, a Associação Brasileira de Criadores de Búfalo (ABCB) criou o Selo de Pureza 100% Búfalo. Segundo Maria Cecília Almeida Prado, o consumidor precisa estar atento para saber diferenciar a qualidade do produto e prestar atenção na presença do selo.

Ela diz que há falsificações sutis, dependendo do porcentual de leite de vaca e de búfala. Por isso, diz ela, o selo é importante.

Além do dano financeiro, o consumidor que compra o produto adulterado também é afetado pelo aspecto nutritivo, já que a muçarela adulterada têm mais sódio, menos proteínas, vitaminas e sais minerais. Além disso, a muçarela de vaca tem mais colesterol que a de búfala, garante a associação.


Saiba como identificar a verdadeira muçarela de búfala:

1- A muçarela verdadeira não despedaça ou esfarela ou quebra facilmente - ela é mais molhadinha que a de leite de vaca

2- Ao partir a muçarela verdadeira, quando retirada da geladeira, é possível notar a aquosidade, pois escorre um pouco de leite. A adulterada não costuma soltar esse líquido leitoso fresco.

3- A muçarela verdadeira é mais branca, enquanto que a adulterada pode ser um pouco mais amarela. Alguns fabricantes usam clorofila para mascarar essa diferença.

4- A muçarela adulterada costuma ser mais salgada, enquanto a verdadeira costuma ser levemente adocicada.

Em 13 anos de existência do Programa de Pureza, a ABCB tem constatado que a maior parte dos laticínios que produzem queijos derivados do leite de búfala misturam quantidades consideráveis de leite de vaca aos seus produtos, a fim de reduzir custos, já que o leite bovino é mais em conta quando comparado ao leite de búfala.

Para preservar e valorizar o mercado, a ABCB outorgou ao Instituto Totum, organismo de certificação, o gerenciamento, a coordenação e a fiscalização do Programa de Pureza.

O instituto fará coleta de produtos e para análise no laboratório da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e testes de DNA, conforme a Norma Técnica específica, e emitirá laudos sobre os resultados de pureza. 

A fiscalização será ampliada, segundo a associação, para garantir análises de produtos de todas as marcas que comercializam queijos de búfala, seja na sua forma pura, seja misturada com leite de vaca. 

As marcas que tiverem resultados que se enquadrem nas especificações da norma técnica serão convidadas a integrar o Programa de Pureza e terão o direito de uso da marca Selo de Pureza 100% Búfalo.

Caso os resultados não se enquadrem nas especificações da norma técnica, o instituto enviará ao fabricante relatório com resultados com prova e contraprova que servirão para acionar os órgãos de fiscalização e proteção do consumidor.

Os resultados dos primeiros laudos a partir de análises de doze marcas atuantes no mercado brasileiro foram baseados em testes de quantificação de material de origem, com precisão de 99,99% na detecção de DNA bovino em concentração maior ou igual a 1%. 

Mais conteúdo sobre:
LaticíniosDefesa do consumidor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.