Queixas contra celulares são de 0,05% dos 56 milhões de aparelhos vendidos em 2009

Segundo Abinee, 'fabricantes estão sempre comprometidos com a constante atualização dos seus processos de produção, a fim de diminuir eventuais falhas'

Célia Froufe, da Agência Estado,

27 de agosto de 2010 | 17h39

A Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) informou há pouco, por meio de nota à imprensa, que o número de queixas reportado pelo Departamento de Proteção de Defesa do Consumidor (DPDC), do Ministério da Justiça, representa 0,05% dos cerca de 56 milhões de aparelhos comercializados em 2009. O comunicado refere-se ao levantamento do DPDC divulgado pela manhã e que revela o nome das principais fabricantes de aparelhos de celular e as reclamações mais comuns dos consumidores.

Na nota, a Abinee afirma que "os fabricantes estão sempre comprometidos com a constante atualização dos seus processos de produção, a fim de diminuir eventuais falhas". Prova desse comprometimento, segundo o comunicado, seria o aumento do número de linhas celulares em operação em 15,5% no ano passado ante 2008 ao mesmo tempo em que o nível de reclamações fundamentadas, relatadas pelo DPDC, caiu 24% no mesmo período. Os dados do Departamento, no entanto, referiam-se apenas ao primeiro semestre deste ano.

"A Abinee destaca que sempre foi favorável ao aperfeiçoamento da política de atendimento ao consumidor, sem encarecer o produto, permitindo que o telefone celular continue acessível para milhões de brasileiros, promovendo a inclusão social." A nota diz ainda que os fabricantes de celular associados à Abinee vêm buscando oportunidades para compartilhar com o DPDC suas experiências e propostas de melhoria contínua no atendimento aos consumidores e que reitera sua disposição em estabelecer uma agenda positiva de trabalho com o órgão, conforme manifestação já apresentada.

Tudo o que sabemos sobre:
Abineeconsumidorcelularreclamação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.