Rainha lidera ocupações do ''Inverno Quente'' em SP

Araçatuba, 21 - Com a ocupação de duas fazendas, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT) iniciaram hoje uma nova onda de invasões em São Paulo, batizada de "Inverno Quente" pelo líder sem-terra José Rainha Junior. Segundo Rainha, o objetivo é invadir 24 áreas no Pontal do Paranapanema e na Alta Noroeste, as duas regiões de maior conflito agrário do Estado, em protesto contra o projeto do governador José Serra de regularizar as áreas devolutas com mais de 500 hectares no Pontal e contra a demora da Justiça Federal em concluir o processo de desocupação de fazendas consideradas improdutivas na Alta Noroeste.As duas primeiras invasões foram no município de Araçatuba, na Alta Noroeste. Às 6 da manhã cerca de 600 pessoas invadiram a fazenda Aracanguá. Em seguida, outras 90 famílias cortaram a cerca e entraram na fazenda Araçá, também na zona rural de Araçatuba. Os líderes do movimento argumentam que as duas propriedades, ocupadas por plantações de cana-de-açúcar, estão em fase final de ajuizamento de valores para desapropriação, mas ações judiciais que demoram em ser julgadas atrasam o processo de reforma agrária."Enquanto a Justiça não agilizar o julgamento de 14 áreas desta região, a reforma agrária não vai andar e os conflitos vão continuar ainda mais", afirmou Rainha. "E o mesmo vai acontecer no Pontal se o Governo do Estado continuar com essa intenção de privatizar áreas públicas e entregá-las ao latifúndio", afirmou Rainha se referindo ao projeto de legalização das áreas devolutas apresentado por Serra na semana passada. Segundo Rainha, o governo deveria seguir o antigo projeto do governador Franco Montoro, que previa a legalização em áreas de até 100 hectares.

Chico Siqueira

15 de julho de 2007 | 12h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.