Raízen busca parcerias com empresas de biotecnologia

A Raízen deverá fechar, no médio prazo, outras parcerias com empresas de biotecnologia nos moldes do acordo selado ontem com a norte-americana Codexis. A informação é do diretor de novos projetos da Raízen, Ricardo Pacheco. Segundo ele, a companhia buscará empresas de biotecnologia cujos produtos podem ser aplicados no setor sucroalcooleiro. Pacheco disse também que a Raízen não terá iniciativas de pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, atividades que serão realizadas por meio de parcerias com o objetivo de agregar valor aos produtos.

EDUARDO MAGOSSI, Agencia Estado

29 de setembro de 2011 | 15h04

Na parceria fechada ontem com a Codexis, a primeira feita pela Raízen com uma empresa de biotecnologia, Pacheco diz que as pesquisas irão na direção do desenvolvimento de leveduras mais tolerantes a temperaturas e também a uma maior concentração de etanol. "O objetivo é fazer com que a produtividade da cana seja maior e mais etanol seja produzido a partir do mesmo volume de cana", afirma.

Segundo o executivo, não haverá investimentos neste momento do acordo, já que os trabalhos serão realizados com a infraestrutura existente. Os primeiros resultados são esperados entre três a seis meses. A partir dos resultados obtidos, serão avaliados os valores do empreendimento e como a operação será modelada. Segundo Pacheco, o definido até o momento é que a Codexis irá comercializar os produtos desenvolvidos para o setor sucroalcooleiro e a Raízen terá condições comerciais privilegiadas na compra dos produtos.

Tudo o que sabemos sobre:
biotecnologiaRaízenparcerias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.