Raízen colocará à venda ativos determinados pelo Cade

A Raízen, empresa resultante da associação entre Shell e Cosan, colocará à venda os ativos determinados pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), conforme nota divulgada nesta tarde. O Cade negou hoje mais um recurso da Shell e voltou a enfatizar a necessidade de venda dos ativos da Cosan (Jacta) no negócio de querosene de aviação, que havia sido comprado pela empresa. A decisão do plenário foi em linha do parecer da Procuradoria do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Procade).

AE, Agencia Estado

28 de julho de 2011 | 10h25

A Shell terá 60 dias a partir da próxima segunda-feira para cumprir as determinações do conselho. Caso não seja cumprida a decisão do órgão antitruste, o negócio entre as partes será revertido, incluindo os bens intangíveis (contratos) da operação, um mês depois - ou seja, daqui a pouco mais de 90 dias.

Veja a íntegra da nota divulgada pela Raízen:

"A Raízen, empresa resultante da associação entre Shell e Cosan, em cumprimento à decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), colocará à venda os ativos determinados pelo órgão. Entre os ativos estão as instalações de abastecimento em áreas de concessão da Infraero e participação em infraestrutura de abastecimento de aeronaves adquiridas da Cosan.

A companhia continuará atuando no suprimento de combustíveis de aviação e estuda medidas para atender de maneira eficiente as necessidades de seus clientes, assegurando que honrará todos os contratos firmados. A Raízen apoia a livre concorrência e participa do mercado de distribuição de maneira justa e ética, respeitando as leis de concorrência aplicáveis."

Tudo o que sabemos sobre:
aviaçãoShellJactaCadeRaízen

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.