Sergei Karpukhin|Reuters
Sergei Karpukhin|Reuters

Raízen compra ativos de refino e distribuição da Shell na Argentina por US$ 950 mi

Shell continuará presente no mercado de downstream da Argentina como acionista da Raízen

Fabiana Holtz, O Estado de S.Paulo

24 Abril 2018 | 09h06

A Raízen Combustíveis e sua subsidiária Raízen Argentina Holdings, do Grupo Raízen, assinaram contrato para aquisição do negócio de downstream da Shell na Argentina, por US$ 950 milhões. Conforme fato relevante divulgado pela empresa, a Shell continuará presente no mercado de downstream da Argentina como acionista da Raízen. Downstream é a fase logística da indústria petrolífera, ou seja, o transporte dos produtos da refinaria até os locais de consumo. Em janeiro, o 'Estado' havia informado que as negociações estavam avançadas e dependiam apenas da assinatura de contratos.

+ TRT rejeita recurso e Raízen terá de negociar demissões com empregados

As companhias adquiridas atuam na Argentina nos negócios de refino de petróleo; distribuiçã o de combustíveis; operação de postos revendedores de combustíveis; fabricação e comercialização de lubrificantes automotivos e industriais; e fabricação e comercialização de gás liquefeito de petróleo (GLP), entre outros.

+ Antes de divulgar balanço, Petrobrás é destaque com seis indicações

Segundo a Raízen, o valor da aquisição assume que as companhias adquiridas não possuem endividamento e está sujeito a ajustes de variações de capital de giro e pelo montante de dívida líquida no fechamento. A conclusão da transação está sujeita a determinadas condições, dentre as quais a dissociação dos ativos relacionados à operação de exploração e produção de petróleo.

Shell Argentina. Na Argentina, a operação de dowstream da Shell é integrada por uma rede de 645 postos de combustíveis com venda de aproximadamente 6 bilhões de litros/ano, ocupando o segundo lugar no mercado com aproximadamente 20% de participação.

A transação também inclui uma refinaria, uma fábrica de lubrificantes, três terminais terrestres, dois terminais de abastecimento de aeroportos e cinco unidades de envasamento de GLP. As unidades adquiridas registraram receitas líquidas de US$ 3,3 bilhões (proforma considerando os negócios adquiridos) em 2017. 

Mais conteúdo sobre:
Raízen indústria petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.