Receita da Telefónica na AL cai 6,8% no 3º trimestre

A desvalorização do real afetou negativamente o resultado da espanhola Telefónica no terceiro trimestre de 2013. Resultado divulgado nesta sexta-feira, 8, em Madri mostra que a controladora da Vivo no Brasil teve faturamento de 7,1 bilhões de euros de julho a setembro de 2013 na América Latina. O valor é 6,8% menor que o observado um ano antes e a empresa atribui a queda à variação cambial, especialmente o real. No Brasil, o faturamento em euros caiu 15,1% na mesma comparação.

FERNANDO NAKAGAWA, CORRESPONDENTE, Agencia Estado

08 de novembro de 2013 | 11h45

No balanço do terceiro trimestre, a companhia destaca que "a variação das taxas de câmbio impactou negativamente a evolução anual das principais métricas" na América Latina. "No terceiro trimestre, o impacto negativo é superior ao observado no primeiro semestre principalmente devido à maior depreciação do real brasileiro", afirma a Telefónica. Além do real, a desvalorização do bolívar venezuelano e do peso argentino também foram citadas pela espanhola.

Ao todo, as receitas somaram 2,846 bilhões de euros no Brasil no terceiro trimestre, valor 15,1% menor que o visto um ano antes. No acumulado dos nove primeiros meses do ano, a filial brasileira da Telefónica contribuiu com faturamento de 9,275 bilhões de euros, valor 9,5% menor que o de um ano antes. O balanço é publicado em euros, mas o documento destaca que, em reais, a receita no Brasil teve crescimento de 1,5% no trimestre e 2,5% nos nove meses.

O balanço informa que o câmbio no Brasil girou a uma média de R$ 2,7770 por euro nos nove primeiros meses de 2013. O valor representa uma desvalorização de mais de 10% do real na comparação com a moeda única em um ano. Em setembro de 2013, mês de referência para o fechamento do novo balanço, a moeda brasileira estava ainda mais desvalorizada e eram necessários R$ 3,0120 para comprar um euro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.