Receita mantém previsão de alta da arrecadação de até 4%

Revisão dessa projeção pode ser feita depois de 20 de setembro, data em que o governo terá de divulgar o novo relatório bimestral de revisão de receitas e despesas

Renata Veríssimo e Adriana Fernandes, da Agência Estado,

27 de agosto de 2012 | 12h17

A secretaria adjunta da Receita Federal, Zayda Manatta, disse nesta segunda-feira que, apesar do crescimento mais moderado da arrecadação no acumulado deste ano, de apenas 1,89%, está mantida a previsão de alta real em 2012 para o recolhimento de tributos entre 3,5% e 4% em relação ao ano passado

Segundo ela, uma revisão dessa projeção pode ser feita depois de 20 de setembro, data em que o governo terá de divulgar o novo relatório bimestral de revisão de receitas e despesas e, no qual pode rever as previsões dos indicadores macroeconômicos.

Segundo Zayda, a previsão de alta da arrecadação entre 3,5% e 4% considera a última projeção da equipe econômica para o Produto Interno Bruto (PIB), de 3%.

Reação da economia

Após dois meses seguidos de queda, Zaida previu que a arrecadação voltará a crescer nos próximos meses refletindo a recuperação da economia. "A expectativa do governo é de reação da economia como um todo", afirmou. Segundo ela, a Receita também espera a volta do crescimento da arrecadação do IRPJ e da CSSL, que apresenta nos sete primeiros meses um recuo de 4,46%. 

A secretária explicou que, não fosse o recolhimento atípico de CSLL de R$ 5,8 bilhões de uma mineradora em julho do ano passado (no caso, a Vale), a arrecadação dos dois tributos estaria registrando crescimento de janeiro a julho. Zaida, no entanto, não quis prever o momento dessa reação.

De acordo com a secretária, a expectativa da Receita é de que haja crescimento real da arrecadação do IRPJ e da CSLL em 2012, com a melhora da lucratividade das empresas. "Os indicadores mostram isso. Mas não temos como prever o tempo da reação. No decorrer do tempo, as empresas podem acumular crédito e compensar, o que não somos capazes de prever", disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.