Tiago Queiroz/Estadão - 13/9/2021
Tiago Queiroz/Estadão - 13/9/2021

Recuperação judicial não era caminho esperado para a Samarco, diz BHP 

Empresa, envolvida na tragédia de Mariana, queria tocar o processo de forma extrajudicial, mas mudança de postura dos fundos credores, que detém cerca de R$ 25 bi da dívida, motivou recuperação

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2021 | 05h00
Atualizado 29 de setembro de 2021 | 08h46

Às vésperas dos seis anos da tragédia de Mariana (MG), o processo de recuperação judicial da Samarco, empresa que pertence às gigantes Vale e BHP Billiton já é um dos mais conturbados da história do País. Com uma dívida de R$ 50 bilhões, o processo colocou em pé de guerra as mineradoras com um grupo bastante vocal de credores que engloba vários fundos estrangeiros, o que se reflete em uma série de ações que se acumula na Justiça.

A Samarco é o único investimento da australiana BHP no Brasil. O foco da empresa tem sido na reparação da tragédia, diz o vice-presidente Jurídico e de Assuntos Corporativos da mineradora no Brasil, Ivan Apsan, que chegou à companhia em 2017 para tocar esse assunto. 

Segundo Apsan, a recuperação judicial da Samarco, anunciada no começo do ano, não era o caminho desejado – a ideia era fazer o processo de forma extrajudicial. Porém, a mudança de postura dos fundos credores, que detêm cerca de R$ 25 bilhões da dívida, motivou a companhia a pedir proteção judicial. 

Com base na nova lei de recuperação judicial, porém, os credores têm questionado na Justiça o processo da Samarco, com uma série de liminares acusando as mineradoras de se “blindarem” das obrigações relativas à tragédia. O Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) também questiona o processo.

A mudança da postura, segundo o executivo, pode ter sido um reflexo da mudança recente da legislação no Brasil, que passou a permitir que os credores possam apresentar um plano de recuperação alternativo caso a proposta feita inicialmente pelo devedor seja rejeitada ou se esgote o prazo para a votação.

“O que não queremos é que a recuperação judicial da Samarco se transforme em um balão de ensaio da nova lei de recuperação judicial”, afirma Apsan, que também está no conselho de administração da Samarco. 

O vice-presidente de joint-venture não operada da BHP, Simon Duncombe, que faz visitas regulares ao Brasil, diz que a venda de sua participação de 50% na Samarco não é “prioridade ou intenção” da BHP. “A mineradora tem recursos incríveis, ainda disponível para 30, 40, 50 anos”, diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.