Fabio Motta/Estadão-3/5/2018
Fabio Motta/Estadão-3/5/2018

Rede D’Or vai incorporar a Sul América, em negócio que avalia a seguradora em R$ 15 bi

Negócio foi anunciado na noite desta quarta-feira, 23; sócios da Sul América vão ficar com uma fatia de pouco mais de 13% da rede de hospitais na conclusão da transação

André Jankavski, Fernando Scheller e Matheus Piovesana, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2022 | 18h55

A Rede D’Or, dona dos hospitais São Luiz, anunciou nesta quarta-feira, 23, um acordo para incorporar a seguradora Sul América, uma das mais tradicionais do País. O negócio avalia a Sul América em R$ 15 bilhões. Pelo acordo, a Rede D’Or vai assumir todas as operações da companhia de seguros. Além disso, os acionistas da Sul América receberão, como resultado da incorporação da seguradora pela rede de hospitais, um total de 13,5% do capital social do negócio após a conclusão da operação. 

Segundo fontes de mercado, a operação foi anunciada após uma negociação relâmpago entre as duas partes. Pelo contrato, a Sul América se comprometeu a negociar exclusivamente suas operações com a Rede D’Or. Se desistir em até 12 meses, a multa estipulada pelo contrato é de R$ 5 bilhões; caso a desistência venha em até 18 meses, a penalidade cai para R$ 2 bilhões. A aprovação do negócio depende de aprovação de órgãos reguladores, destacaram as empresas em fato relevante divulgado na noite desta quarta-feira.

Os papéis de SulAmérica e Rede D'Or dispararam no final do pregão desta quarta-feira, fechando com saltos de 25,16% e 8,82%, respectivamente, as maiores altas do Ibovespa, principal índice de ações do País. O movimento foi impulsionado pelo acordo, antecipado pelo colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, na reta final do pregão, e confirmada por fatos relevantes publicados na CVM. A combinação de negócios foi aprovada pelos conselhos das companhias, mas depende ainda do aval em Assembleia Geral e órgãos reguladores.

Para Charo Alves, especialista da Valor Investimentos, o fato de as duas ações terem altas expressivas ao fim do pregão mostra que o mercado enxerga um potencial de sinergia muito grande entre as empresas. Além disso, segundo ele, é mais um negócio na área de saúde que parte para um sistema mais verticalizado, assim como é visto nos modelos da Notredame Intermédica e da Hapvida. "Agora, teremos um negócio com mais capilaridade para as classes A e B", diz Alves.

É uma visão similar a de Leo Monteiro, analista de renda variável da Ativa. Segundo ele, o negócio é potencialmente bom para as duas empresas envolvidas, ainda mais em um momento de alta competitividade no setor. "O negócio parece ser promissor para as duas empresas envolvidas. Para a Rede D'Or, a aquisição daria acesso a uma base de mais de 2,3 milhões de beneficiários, enquanto para SulAmérica, o negócio com uma rede renomada como a Rede D'Or daria mais atratividade aos seus planos de saúde, além de potencialmente reduzir sua sinistralidade", afirma Monteiro.

Vice-líder em seguros

De acordo com o ranking da Confederação Nacional das Seguradoras (CNSeg), a Sul América é  a segunda maior empresa do ramo de saúde do setor no ano passado, atrás apenas da Bradesco Seguros. Com a venda de sua carteira de seguros automotivos para a Allianz, em 2020, a SulAmérica incrementou seu foco na saúde, e vinha fazendo uma série de aquisições nessa área.

O acordo de associação entre as companhias tomou por base as cotações das ações da SulAmérica na B3 no fechamento do último dia 18, com prêmio de 49,3% sobre as ações da companhia.  A Rede D'or assumirá não apenas as áreas de saúde da SulAmérica, como também as de odontologia, seguros de vida e previdência, além da SulAmérica Investimentos. De acordo com os comunicados das empresas, a gestora manterá seu time de gestão, sua operação e sua estratégia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.