Werther Santana|Estadão
Werther Santana|Estadão

Pleito milionário pode complicar recuperação judicial da BR Pharma

Drogaria Mais Econômica, que já fez parte da rede de farmácias, alerta administrador judicial sobre existência de outras dívidas trabalhistas e ação contra empresa

Renata Agostini, O Estado de S.Paulo

16 Maio 2018 | 04h00

A Drogaria Mais Econômica, dona de 35 farmácias no sul do País, tenta fazer com que a Justiça reconheça novas dívidas da Brasil Pharma, rede de drogarias da qual já fez parte. O pedido pode complicar a já delicada situação da companhia, que foi criada pelos sócios do banco BTG para se tornar a maior rede do País, mas encontra-se em recuperação judicial.

+ Com dívidas de R$ 1,2 bilhão, BR Pharma pede recuperação judicial

A Brasil Pharma tem dívida de cerca de R$ 1,2 bilhão e, mesmo após fechar dezenas de lojas, precisa de nova injeção de recursos para manter a operação restante de pé, segundo fontes a par dos números da empresa.

A Drogaria Mais Econômica, que desde 2015 é controlada pela empresa de investimentos Verti Capital, acusa a BR Pharma e o BTG de terem fraudado suas demonstrações contábeis e escondido seu real passivo trabalhista.

+ BR Pharma pede desconto de até 95% na dívida

No pedido protocolado na segunda-feira na recuperação judicial da Brasil Pharma, a empresa sustenta que a Justiça do Trabalho já reconheceu em alguns casos a responsabilidade de seus antigos donos sobre essas dívidas. Hoje, esses débitos não estão contabilizados na recuperação judicial da Brasil Pharma, que é dona da rede de franquias Farmais e de marcas como Big Ben.

“Estamos levando ao conhecimento do administrador que o Judiciário já está reconhecendo que a Brasil Pharma e o BTG são responsáveis pelo passivo trabalhista da Drogaria Mais Econômica. Isso servirá para alertar que o passivo da empresa é maior do que o informado”, diz o advogado Marcio Louzada Carpena, que representa à Drogaria Mais Econômica.

+Brasil Pharma cai 7 posições em ranking do varejo

Além de informar sobre esse passivo, a Mais Econômica pede que o administrador judicial da recuperação, a consultoria Deloitte, se manifeste sobre “práticas e procedimentos contábeis e manifestas adulterações da realidade econômico-financeira de empresas controladas da Brasil Pharma”, conforme já relatado em ação que move contra sua antiga controladora e o banco BTG.

“O objetivo é reforçar que as práticas adotadas pela Brasil Pharma a condução dos negócios traz para ela responsabilidades maiores das que foram apontadas inicialmente”, afirmou Carpena.

+Hopi Hari tenta recuperação judicial, mas exclui BNDES

A Drogaria Mais Econômica chegou a ter mais de 150 lojas, mas foi encolhendo e, após ser vendida para a Verti Capital, também entrou em recuperação judicial.

De acordo com um executivo ligado à Brasil Pharma, os pedidos da Mais Econômica vêm em mau momento. Mesmo que esses créditos não sejam reconhecidos agora no processo, o pedido deixa investidores e credores receosos e traz dano à imagem da BR Pharma e do BTG. Pedidos de esclarecimentos foram feitos à companhia nesta terça-feira, 15.

+Oi paga R$ 51 milhões em etapa do plano de recuperação judicial

Há receio, por exemplo, de que, diante do movimento da Mais Econômica, outros pleitos de indenização possam surgir. A Petros, fundo de pensão dos funcionários da Petrobrás, que colocou quase R$ 300 milhões para ter 10% da BR Pharma, diz que o investimento é alvo de comissão interna para averiguar eventuais irregularidades. 

No BTG, a avaliação é que os processos não vão prosperar. O argumento é que empresa sempre foi auditada, fazia parte do Novo Mercado e não há problemas no balanço. Oficialmente, o banco não comenta.

+ Brasil Pharma entra com pedido de recuperação judicial

Crise. O destino da Brasil Pharma segue incerto. Em abril deste ano, a empresa apresentou um plano de recuperação judicial pedindo desconto de até 95% na dívida, cuja maior parte está nas mãos dos antigos controladores, os sócios do BTG - a empresa foi adquirida por valor simbólico pela Lyon Capital em 2017.

+ Juiz provê sigilo de bens de acionistas em recuperação de BR Pharma

O plano consiste em levantar recursos com a venda de pontos comerciais e as poucas farmácias próprias que restaram. Representantes da consultoria Alvarez & Marsal têm abordado possíveis interessados nesses ativos.

A companhia segue com dificuldade para gerar caixa e há avaliação de que um novo aporte é necessário para que sobreviva, além de corte ainda mais agressivo na dívida. Por isso, há um impasse. Os sócios do BTG, principais credores, chegaram a colocar quase R$ 50 milhões na empresa após seu pedido de recuperação e relutam em desembolsar mais recursos.

Histórico. A BR Pharma foi formada pelos sócios do BTG em 2009 e chegou ao posto de maior rede de farmácias do País após fazer uma série de aquisições. A hoje quase abandonada Big Ben, do Pará, foi adquirida por mais de R$ 450 milhões em 2011.

Em 2012, começaram a aparecer problemas. Após prejuízos, os sócios do BTG iniciam o desmonte da companhia em 2015, com a venda da Mais Econômica e da Rosário. Os problemas foram crescendo e culminaram no repasse do negócio por R$ 1 mil no ano passado e na recuperação judicial no início deste ano.

Procurada, a Brasil Pharma não retornou.

Mais conteúdo sobre:
farmácia BR Pharma Btg Pactual

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.