Rede de hotéis Marriott aposta em conteúdo

Rede americana tem uma unidade de produção de filmes

Agências internacionais, O Estado de S.Paulo

26 Setembro 2016 | 05h00

Pouca gente sabe, mas a rede de hotéis americana Marriott International – que tem 19 marcas e atua em todos os continentes do mundo – tem uma unidade de produção de filmes.

Agora, essa divisão vai ganhar novo fôlego e ampliar a produção de reality shows e séries dramáticas na Ásia graças ao sucesso que obteve com seus filmes de curta-metragem.

Tony Chow, diretor de conteúdo criativo da Mariott Content Studio para a região Ásia-Pacífico, afirmou à revista americana Variety que os curta-metragens inicialmente foram planejados somente como uma ferramenta de marketing para os hotéis. No entanto, o conteúdo que começa a ser desenvolvido agora está sendo planejado para veiculação em diversas plataformas.

Desde a concepção da área de conteúdo, a rede Marriott produziu um total de cinco curtas-metragens, incluindo uma experiência em uma franquia sobre dois recepcionistas trapalhões, que terá um terceiro capítulo nos próximos meses.

Êxito. Um dos astros dos filmes da Marriott é o ator Ki Hong Lee, que tem um papel importante na série Unbreakable Kimmy Schmidt, e exibida pelo Netflix. Os filmes feitos pela empresa têm participado de festivais e chegam a atrair um total de 5 milhões de usuários.

“Os curta-metragens realmente ajudaram a trazer novos negócios”, disse Chow à Variety. Um pacote de estadias ligado ao lançamento da comédia romântica French Kiss (a expressão beijo francês, em inglês, significa beijo de língua), por exemplo, trouxe receita de US$ 500 mil para a companhia.

O próximo passo é o desenvolvimento de shows sem roteiros. O executivo-chefe do estúdio de conteúdo da rede Marriott, David Beebe, diz que uma das ideias é desenvolver um reality show que ocorra nos bastidores da inauguração de um novo hotel. O projeto poderá ser realizado porque a Ásia é um mercado em expansão para redes de hotéis. 

Mais conteúdo sobre:
ÁsiaNetflix

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.