Reduzida em 2 meses pena de ex-executivo da Parmalat

O Tribunal de Apelações de Bolonha, no norte da Itália, reduziu nesta segunda-feira em dois meses a pena de prisão do fundador, ex-executivo-chefe e responsável pela falência do grupo Parmalat, Calisto Tanzi, de 73 anos. Tanzi, que em 2010 foi sentenciado a 18 anos de prisão por falência fraudulenta e associação criminosa, recebeu uma nova sentença de 17 anos e 10 meses de reclusão.

ANDRÉ LACHINI, Agencia Estado

23 de abril de 2012 | 17h44

A Parmalat faliu em 2003 em um dos maiores escândalos de fraude financeira da Europa, desaparecendo com o dinheiro de 135 mil pessoas na Itália. No total, Calisto Tanzi e outros executivos foram condenados pelo desaparecimento de ? 14 bilhões, informa a agência France Presse (AFP).

A Justiça foi menos severa com Fausto Tonna, ex-diretor financeiro da Parmalat, que teve sua pena reduzida de 14 anos para 9 anos e 11 meses de prisão. "A sentença foi dada substancialmente em linha com a posição de Calisto Tanzi. Nós já prevíamos isso", disse o advogado de Tanzi, Fabio Belloni, em declarações à agência Ansa. Belloni disse que tentará mais um recurso no Tribunal de Cassações em Roma. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Parmalatapelação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.