Reforma da previdência avança na França

Apesar de protestos de estudantes, Senado aprovou mudança em segundo turno

Andrei Netto, de O Estado de S. Paulo,

26 de outubro de 2010 | 22h30

Do lado de fora, milhares de estudantes secundaristas e universitários voltaram a clamar na terça-feira, 26, por "resistência" frente à reforma da previdência em curso na França. Mas dentro do Palácio de Luxemburgo, em Paris, os senadores se mostraram indiferentes ao apelo das ruas. Por 177 votos a favor e 151 contra, o Senado aprovou em segundo turno o aumento da idade mínima de aposentadoria. Na quarta-feira, a Assembleia Nacional deve confirmar o seu aval, mas a promulgação da lei pelo presidente Nicolas Sarkozy deverá esperar.

O debate no Legislativo, o mais longo da história da 5.ª República, iniciada em 1958, marcou a adoção definitiva da nova legislação previdenciária pelo Senado. O mesmo caminho seguirá a Assembleia Nacional, cujos deputados se reúnem nesta tarde no Palácio de Bourbon.

Ainda assim, deputados e senadores do Partido Socialista anunciaram na terça que questionarão a nova lei no Conselho Constitucional, o órgão que verifica a validade das novas legislações.

Promulgação

Com isso, a promulgação da reforma da previdência não acontecerá antes de 15 de novembro. Nesse meio tempo, sindicatos de trabalhadores e uniões estudantis prometem manter a pressão sobre o governo Sarkozy. Terça-feira, em frente ao Senado, milhares de jovens secundaristas e universitários se reuniram para protestar contra a reforma. Entre eles, estava Jean-Baptiste Redde, 53 anos, poeta e professor de escolas públicas cujos cartazes de contestação à nova lei correram o mundo. "É preciso continuar a protestar. Somos obrigados a mostrar a nossa cólera contra um governo que se recusa a ouvir o povo", argumentou.

A ideia de resistência também norteia os estudantes, que se mobilizaram em meio às férias de outono na França. Todos ainda dizem acreditar ser possível obrigar o governo a recuar. "Quem sabe ainda podemos reverter o resultado desse projeto", afirmou Maud J., estudante de Letras. Ao seu lado, Cédric D., 21 anos, estudante de História, buscava na memória do país a esperança de impedir a entrada em vigor da lei. "É possível. Já evitamos a entrada em vigor do Contrato de Primeiro Emprego (CPE), aprovada no parlamento em 2003."

Essa mesma lógica move os sindicatos, que mantiveram a convocação para uma nova jornada de manifestações contra a reforma, marcada para esta quarta-feira. No entanto, os sindicalistas já planejam obter do governo medidas para fomentar o emprego de jovens e de trabalhadores acima de 55 anos,

"A melhor coisa que podemos fazer é abrir negociações entre o patronato e as organizações sindicais sobre o emprego de jovens e seniores", afirmou à rede de TV France 2 François Chérèque, secretário-geral da Confederação Francesa Democrática do Trabalho (CFDT).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.