Reino Unido, Alemanha e França querem atrelar orçamento à inflação

Proposta, elaborada pelo Reino Unido, seria aplicada para o período 2014-2020

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

17 de dezembro de 2010 | 11h13

O Reino Unido, a Alemanha e a França pretendem dar andamento nos próximos dias a uma proposta conjunta para aumentar o período em que o orçamento da União Europeia esteja atrelado à inflação.

A proposta, elaborada pelo Reino Unido, seria aplicada para o período 2014-2020 e foi discutida ontem em paralelo ao encontro dos líderes da União Europeia em Bruxelas. A ideia é que o orçamento não supere a inflação.

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, disse que "a diferença em relação ao passado é que agora, no início do processo, franceses, alemães e britânicos se uniram para realmente assumir o controle deste orçamento, não podemos vê-lo subindo e subindo".

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, confirmou apoio à proposta britânica. Merkel também reiterou que bônus emitidos por governos da zona do euro após a entrada em vigor do novo mecanismo de resgate aos países problemáticos irá conter uma cláusula de ação coletiva, para incluir os credores privados em qualquer possível ajuda. Os credores privados serão inclusos com base em métodos utilizados pelo FMI, disse Merkel.

Cameron reiterou que seu governo gostaria de ver restrições aos bônus concedidos aos banqueiros diante do suporte que o setor financeiro recebeu dos contribuintes durante as dificuldades econômicas recentes.

As informações são da Dow Jones. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.