Renault dá férias coletivas na Argentina por crise--mídia local

A Renault convocou férias coletivas de 11 dias a mil funcionários argentinos como consequência de uma queda nas exportações, em decorrência da crise econômica global, informou a imprensa local neste sábado. O ministro do Trabalho informou que os funcionários da unidade da empresa em Santa Isabel, província de Córdoba, serão dispensados por diferentes períodos durante os meses de novembro e dezembro, por um total de 11 dias, segundo o jornal La Nación. "A demissão tem que ser a última solução", disse o ministro do Trabalho, Carlos Tomada. A imprensa local estimou em 1,4 mil o número total de funcionários da Renault na Argentina, unidade que exporta grande parte de sua produção. "As vendas ao Brasil e ao México, nossos principais mercados, reduziram-se totalmente e para nós a exportação significa 27 por cento das vendas", disse uma fonte da Renault ao jornal Clarín. Muitos temem que a crise internacional atinja a indústria automobilística local, um dos motores da forte recuperação econômica do país a partir de 2002, quando a economia começou a crescer a taxas superiores a 8 por cento ao ano. Outras automotivas que também exportam uma parte relevante de sua produção anunciaram recentemente férias coletivas. O governo luta para evitar uma onda de demissões em um país onde um terço da população vive na pobreza. (Reportagem de Nicolás Misculin)

REUTERS

08 de novembro de 2008 | 14h19

Tudo o que sabemos sobre:
AUTOSRENAULTARGENTINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.