Rendimento médio do trabalhador ultrapassa R$ 1,9 mil pela 1ª vez

Em setembro, o rendimento médio real foi de R$ 1.908, um recorde histórico, segundo o IBGE

Idiana Tomazelli, da Agência Estado,

24 de outubro de 2013 | 10h01

RIO - O rendimento médio real habitual dos trabalhadores ultrapassou os R$ 1,9 mil pela primeira vez em setembro e se posicionou no maior valor de toda a série histórica da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No mês passado, o rendimento médio real foi de R$ 1.908,00.

Apesar dos ganhos no rendimento, o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE ressaltou que o movimento de aumento no nível de ocupação que se viu nos últimos anos se desarticulou na passagem de 2012 para 2013. "O nível de ocupação se estabilizou em um nível igual ao do ano passado", observou.

Na passagem do mês, ele ressaltou que não houve movimentação significativa. "Há algumas tendências, como queda de ocupação no comércio, aumento na indústria. É um movimento de transição no mercado de trabalho", disse. O aumento de 1,0% no número de empregados no setor privado com carteira de trabalho também foi um ponto positivo, segundo Azeredo.

Contra setembro de 2012, a alta é de 3,5% (um aumento de 399 mil pessoas). "Apesar de não gerar vagas e de aumentar os desocupados, o mercado de trabalho continua a apresentar aspectos positivos", avaliou o coordenador.

Entre os que não têm carteira de trabalho no setor privado, houve redução de 2% em setembro ante agosto e queda de 10,2% ante setembro de 2012. Na comparação interanual, a diminuição foi de 249 mil pessoas na informalidade do setor privado.

Tudo o que sabemos sobre:
empregoIBGErenda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.