Resposta da zona do euro para a crise é razoavelmente coerente, diz Fitch

Para diretor de ratings da agência, Grécia enfrenta o maior risco para a solvência entre os países da região e pode precisar de mais apoio do FMI

Danielle Chaves, da Agência Estado,

21 de janeiro de 2011 | 08h58

A resposta política para a crise fiscal da zona do euro agora é "razoavelmente coerente", afirmou David Riley, diretor de ratings soberanos da Fitch Ratings. Riley reiterou a opinião da Fitch de que, embora o risco de quebra da zona do euro venha pesando sobre os mercados, a agência não acredita que isso é provável.

Em comentários feitos durante uma conferência em Londres, Riley destacou medidas como a criação de fundos de resgate e suporte do Fundo Monetário Internacional (FMI) para alguns países.

No entanto, Riley observou que a Grécia enfrenta o maior risco fundamental para a solvência entre os países da zona do euro e pode precisar de mais apoio do FMI. Riley também disse que Portugal provavelmente vai entrar em recessão neste ano e que a Espanha precisa implementar um plano de reestruturação de crédito para o setor bancário do país. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.