Resultado fraco pode fazer BC interromper alta do juro, diz Besi

'A trajetória de crescimento do País está muito modesta e isso pode aumentar a probabilidade de mais estímulo ao consumo ou até o BC interromper ciclo antes do previsto', diz economista

Célia Froufe, da Agência Estado,

12 de julho de 2013 | 09h43

BRASÍLIA - O economista-sênior do Espírito Santo Investment Bank (Besi Brasil), Flávio Serrano, avaliou há pouco, em entrevista ao Broadcast, que o resultado do IBC-Br de maio (queda de 1,40% ante abril com ajuste) pode levar o governo brasileiro a conceder mais estímulos ao consumo e também aumenta a chance de o Banco Central interromper o atual ciclo de alta dos juros antes do esperado.

"A trajetória de crescimento do País está muito modesta e isso pode aumentar a probabilidade de mais estímulo ao consumo ou até o BC interromper ciclo antes do previsto", considerou. Ele observou que essa segunda possibilidade apenas passou a fazer parte do radar, mas não necessariamente se tornou uma projeção do que ocorrerá.

Já a primeira, conforme o economista, é mais provável de ocorrer. Serrano disse que havia um consenso de que o IBC-Br não seria bom em maio, mas acabou sendo pior do que o esperado. As estimativas do mercado para o indicador colhidas pelo AE Projeções perfaziam um intervalo de -0,30% a -2,00%, com mediana de -1,00%. "Verificamos que o crescimento da economia brasileira está limitado. O dado de maio surpreendeu negativamente", afirmou.

Pesa também na avaliação de Serrano a perspectiva de que o IPCA deste mês e o do agosto também venham baixos. "A limitação do crescimento se dá por restrições de oferta e não por problemas de demanda", salientou. O Besi prevê uma expansão de 2,3% para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano e de 2,5% para 2014. A inflação nos dois anos, conforme estimativa da instituição, deve encerrar em 6%, acima, portanto, do centro da meta de 4,5% perseguida pelo Banco Central.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.