Rio perderá R$ 1,5 bilhão se projeto sobre royalties for mantido, diz Cabral

Governador disse que quando mostrou valor a Dilma Roussef, a presidente teria 'ficado impressionada' e teria dito que 'iria analisar os números'

Lisandra Paraguassu, da Agência Estado,

21 de outubro de 2011 | 18h12

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, apresentou à presidente Dilma Rousseff números que mostrariam uma perda de 8% da receita do Estado do Rio de Janeiro, caso o projeto de partilha dos royalties do petróleo, aprovado pelo Senado, seja mantido. De acordo com o governador, os números usados pelo senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), relator do substitutivo sobre a partilha dos royalties, estão superestimados e reduzem o impacto para o Estado.

"Quando eu disse à presidente que a previsão no projeto era que a expectativa de produção chegasse a 5 bilhões de barris em cinco anos, ela mesma disse que é impossível", afirmou o governador. Cabral afirma que informou a Dilma ainda que o Estado do Rio de Janeiro teria uma perda de R$ 1,5 milhões. Segundo ele, a presidente teria "ficado impressionada" e teria dito que "iria analisar os números".

O governador entregou à presidente uma nota técnica mostrando as perdas do Estado e dos municípios fluminenses. Informou, por exemplo, que todos os R$ 8,5 bilhões que o seu governo receberia em 2012 já estão comprometidos no orçamento. Desses recursos,  R$ 6 bilhões seriam para pagar aposentados e inativos.

Cabral, no entanto, não quis respondeu se teria pedido a Dilma o veto ao projeto. Informou apenas que uma nova reunião foi marcada para a próxima quarta-feira, quando será anunciado a ampliação da produção da fábrica da Citröen no Estado.

Apesar de continuar batendo na impossibilidade do Rio de Janeiro perder dinheiro - o governador não aceitou nem mesmo dizer se aceita alguma perda para negociar no Congresso - Cabral baixou o tom do discurso. Afirmou que é preciso "sair do debate acalorado" e mostrar os números. "Temos que ir passo a passo. A conversa com o Congresso precisa ter muita serenidade", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.