Rio pode produzir 500 milhões de litros de álcool em quatro anos

Rio, 26 - O vice-governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, disse hoje que o Estado poderá produzir 500 milhões de litros de álcool anuais a partir de 2011, após investimentos de R$ 300 milhões nos próximos anos. Ele lembrou que o governo do Estado está pedindo ao Ministério da Integração Regional R$ 100 milhões para dragagem de canais no Norte Fluminense, para beneficiar o cultivo local da cana. "O Estado tem 83% da produção brasileira de petróleo e queremos aumentar a participação também nesse combustível (etanol)", disse o vice-governador. Hoje, o Estado do Rio não produz mais que 1% do total do etanol produzido no Brasil.As afirmações foram feitas por Pezão no seminário "etanol: do norte fluminense para o mercado global", realizado hoje na sede da Petrobras. O diretor de abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, que também participou do evento, disse em entrevista que vê como "muito positiva" a perspectiva de aumento da produção de álcool no Rio de Janeiro. "Fica o desafio para que empreendedores do Rio nos tragam projetos", disse. A Petrobras deverá assinar, nos próximos três meses, contratos para cinco usinas de álcool em empreendimentos no qual será minoritária com parceiros privados, mas Costa não quis adiantar a localização dessas usinas. No entanto, adiantou que não estarão no Estado do Rio.Ainda sobre o desenvolvimento da produção de álcool no Estado, o gerente de comércio e álcool e oxigenados da Petrobras, Silas Oliveira Filho, alertou que é fundamental a capacitação de mão-de-obra para o setor, como já vem ocorrendo em São Paulo. "Você não consegue construir hoje uma indústria competitiva de álcool sem profissionais capacitados, inclusive no campo". Segundo ele, a Petrobras está estudando "como alavancar a mão-de-obra desse setor, que exige cada vez mais profissionais capacitados".

Jacqueline Farid

15 de julho de 2007 | 12h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.