Rio Tinto obtém apoio do conselho da Riversdale para oferta

Conselho da mineradora, que se tornou alvo de aquisição por seus projetos de carvão em Moçambique, recomenda agora a oferta de US$ 3,9 bilhões

Reuters,

24 de janeiro de 2011 | 08h20

Uma proposta da Rio Tinto para compra da mineradora de carvão Riversdale por US$ 3,9 bilhões ganhou força nesta segunda-feira, 24, depois que representante da Tata Steel, principal acionista, decidiu apoiar a oferta.

O conselho da Riversdale, que se tornou alvo de aquisição por seus projetos de carvão em Moçambique, recomenda agora a oferta, afirmando que não tinha ciência sobre qualquer outra proposta, apesar de um consórcio indiano ter afirmado que planeja decidir em 27 de janeiro se fará uma contraproposta.

O diretor da Riversdale Steve Mallyon afirmou que a empresa "não recebeu nenhuma ligação" do consórcio, chamado ICVL, e formado por uma siderúrgica indiana, uma produtora de minério de ferro e uma empresa de energia.

Mallyon informou que negociações já estavam acontecendo para venda de grande parcela da futura produção de carvão coque da companhia para siderúrgicas no Brasil, Europa e possivelmente China e que as conversas estavam em estágio avançado para vincular a produção de carvão térmico da Riversdale a uma grande empresa de comércio de commodities, o que deixaria pouco produto para compradores indianos.

"Então nós teremos cerca de 10 milhões de toneladas de carvão coque para usar por uma série de anos e isso não é muito", disse Mallyon. "Isso não parece o tipo de volume que os indianos estariam buscando."

A Tata Steel já assinou acordo de fornecimento de 40% da produção da mina Benga, principal da Riversdale e que deve começar a produzir este ano.

Até esta segunda-feira, nenhuma proposta superior à oferta da Rio Tinto foi recebida, informou a Riversdale em comunicado depois de divulgar comunicado com a resposta oficial à proposta da mineradora australiana.

Apesar do representante da Tata Steel no conselho da Riversdale, N.K. Misra, ter recomendado a oferta da Rio Tinto, Mallyon disse que o apoio do executivo não é um sinal da intenção do grupo siderúrgico indiano.

Uma vez que Misra é o diretor da Tata para fusões e aquisições, a recomendação dele pelo menos deixa claro que a Tata Steel sozinha não está planejando superar a Rio Tinto.

As ações da Riversdale subiram 1,2%, para 16,50 dólares australianos, valor apenas 3%maior que a oferta da Rio Tinto, indicando que os investidores não apostam uma proposta maior pela produtora de carvão.

Os dois maiores acionistas da Riversdale são a Tata Steeel, com 24,2% da empresa e a Companhia Siderúrgica Nacional, com 16,29%. Ambas as empresas têm interesse no carvão da companhia, mas ainda não emitiram uma posição oficial sobre a oferta da Rio Tinto, que expira em 18 de fevereiro.

A CSN informou por meio de sua assessoria de imprensa no final da semana passada que não vai comentar o assunto.

Por James Regan e Sonali Paul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.