Rio Tinto vê corte global de 125 mi t em capacidade minério de ferro em 2014

Os preços do mineral acumulam perdas de 38% este ano, atingindo mínimas de cinco anos

REUTERS

10 de setembro de 2014 | 11h05

A Rio Tinto, segunda maior produtora de minério de ferro do mundo, espera que outras mineradoras cortem 125 milhões de toneladas de capacidade de minério de ferro em 2014, aproximadamente igual à quantidade de nova oferta prevista para entrar em operação na Austrália e no Brasil.

Os preços do minério de ferro acumulam perdas de 38 por cento este ano, atingindo mínimas de cinco anos, em grande parte devido a um excedente de oferta de minério de baixo custo a partir dos principais produtores, a brasileira Vale, a Rio Tinto, a BHP Billiton e a Fortescue.

A queda dos preços tem sido mais profunda e mais rápida do que o esperado, e grandes e pequenas mineradoras previam que os produtores de alto custo, principalmente na China, seriam forçados a reduzir a produção em resposta aos preços deprimidos.

"Eu acho que já há alguma evidência, certamente na China, Indonésia, Irã, África do Sul e Austrália, estamos vendo alguns competidores mais marginais tomarem decisões de cortar capacidade", disse o presidente-executivo Sam Walsh à Reuters no intervalo de um evento em Washington.

"Estamos esperando que ao longo deste ano 125 milhões de toneladas de capacidade sejam cortadas em resposta a preços mais baixos", disse ele, acrescentando que 85 milhões de toneladas já foram cortadas, em linha com as expectativas.

Um corte de 125 milhões de toneladas seria equivalente a quase 10 por cento do comércio global previsto em minério de ferro para este ano, e aproximadamente igual às 132 milhões de toneladas de nova previsão de fornecimento a vir da Austrália e do Brasil em 2014.

(Reportagem de Krista Hughes)

Tudo o que sabemos sobre:
EMPRESASRIOTINTOCAPACIDADE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.