REUTERS/Anthony Bolante
REUTERS/Anthony Bolante

Rolls-Royce planeja ingressar em mercado de táxi voador para cidades

Segundo a fabricante de motores, o conceito inicial do veículo usa tecnologia de turbina a gás e com capacidade para carregar quatro a cinco pessoas

Reuters

16 de julho de 2018 | 19h01

FARNBOROUGH - A britânica Rolls-Royce desenvolveu um sistema propulsor para táxi voador e está começando a buscar parceiros para ajudar a desenvolver o projeto que espera levantar voo na próxima década. O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 16, durante o Farnborough Airshow, feira bienal do setor na  Inglaterra, que conta também com a brasileira Embraer. 

+ Tesla aposta na reinvenção de sua linha de montagem

A companhia elaborou planos para um veículo elétrico vertical de decolagem e aterrissagem (EVTOL, na sigla em inglês), ou táxi voador, que pode carregar quatro a cinco pessoas e desenvolver uma velocidade de até 400 quilômetros por hora por cerca de 800 quilômetros.

+ Rota 2030 fará com que 'inteligência e conhecimento fiquem no Brasil', diz Volkswagen

A Rolls-Royce, que fabrica motores para aviões, helicópteros e navios, se junta a uma variedade de companhias que empenham esforços para desenvolver táxis que podem revolucionar o modo como as pessoas se locomovem pelas cidades.

+ Governo lança Rota 2030 com abatimento de 10,2% de impostos para montadoras

O que foi por muito tempo material de ficção científica, líderes da indústria da aviação e de tecnologia estão trabalhando para tornar esses veículos alimentados a energia elétrica uma realidade. Os esforços incluem a europeia Airbus, a brasileira Embraer, o serviço de transporte por aplicativo Uber e uma série de startups, sendo uma apoiada pelo cofundador do Google, Larry Page, chamada Kitty Hawk. O projeto da Rolls-Royce será exibido em formato digital na feira de aviação britânica de Farnborough, que começou nesta segunda-feira.

Em comunicado, a empresa disse que estava bem posicionada para desempenhar papel central no mercado de mobilidade aérea. "O conceito inicial do veículo usa tecnologia de turbina a gás para alimentar seis propulsores elétricos especialmente desenvolvidos para ter perfil de baixo ruído", disse o grupo, acrescentando que o projeto usa a já existente turbina a gás M250.

O projeto da Rolls Royce não exige recarregamento da energia elétrica porque a bateria é carregada pela turbina a gás, informou a empresa, ressaltando que o projeto pode usar a infraestrutura existente, como heliportos e aeroportos.

Tudo o que sabemos sobre:
aviaçãoaeroportoRolls Royce

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.