Rolls-Royce vende luxo em um dos países mais pobres do mundo

Veículos usados por reis e chefes de estado estão à venda no Camboja, onde a renda média equivale a menos de meio por cento de um carro da marca

Associated Press, PHNOM PENH

09 de junho de 2014 | 10h52

A fabricante de carros de luxo Rolls-Royce, conhecida pelos veículos caros e requintados usados por reis e chefes de Estado, vai começar a vender seus produtos em um dos países mais pobres do mundo: o Camboja.

A Rolls-Royce Motor Cars anunciou nesta segunda-feira, 9, que juntou-se com um parceiro de negócios do Camboja para abrir um showroom na capital cambojana próximo mês.

O gerente regional da Rolls-Royce na Ásia-Pacífico, Paul Harris, disse que a empresa subsidiária da BMW assinou um acordo com HGB Group Co., Ltd., porque acredita que a demanda vai crescer junto com a economia do Camboja.

A renda anual média do Camboja, de acordo com o Banco Mundial, é pouco mais de US$ i mil, pouco menos da metade de um por cento do Rolls-Royce mais barato.

No entanto, uma elite pequena, mas muito rica, vive na capital da nação predominantemente rural, e é não é incomum ver vários modelos de veículos top de linha, como o Lexus, trafegando pelas precárias e empoeiradas ruas da cidade.

Harris disse que cinco Rolls-Royces foram vendidos no Camboja desde 2005."Ninguém acreditaria que tal um carro de luxo viria ao Camboja", disse o ministro para Indústria e Artesanato Cham Prasidh, que estava presente para o anúncio.

Modelos japoneses mais baratos ainda dominam o mercado, mas a melhoria de estradas - que foram destruídas pela guerra e por negligência oficial - e o aumento dos padrões de vida das pessoas anima os fabricantes de veículos, disse ele.

Tudo o que sabemos sobre:
Rolls Royce

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.