Rússia age para tomar controle de bilionário na petroleira Bashneft

A Rússia se movimentou para tomar o controle de uma petroleira do oligarca Vladimir Yevtushenkov nesta sexta-feira, confiscando as ações de seu conglomerado Sistema na empresa e aprofundando temores entre investidores de que o Kremlin deseja recuperar preciosos ativos estatais.

REUTERS

26 de setembro de 2014 | 09h35

Um tribunal em Moscou ordenou o confisco da fatia da Sistema na Bashneft um dia após um juiz rejeitar a soltura de Yevtushenkov, que está sob prisão domiciliar por suspeitas de lavagem de dinheiro durante a aquisição da petroleira em 2009.

O caso levantou temores entre investidores de que o presidente Vladimir Putin, que favorece o que é conhecido como "capitalismo de Estado", quer aumentar a intervenção na economia à medida que a Rússia tenta lidar com as sanções ocidentais impostas pela crise da Ucrânia.

Embora Yevtushenkov tenha se mantido longe da política, o caso tem atraído comparações com o destino de Mikhail Khodorkovsky, o ex-presidente-executivo da petroleira Yukos que foi preso por acusações de fraude e evasão fiscal há uma década após se desentender com Putin.

"Eles (autoridades) estão dizendo a si mesmos, para aliviar suas consciências, que estão fazendo algo magnânimo ao voltar (a empresa) à propriedade do Estado", disse Sergei Petrov, um deputado da oposição, para a Reuters nesta semana. "O canal é conhecido, o método já foi testado... como aconteceu a última vez com a Yukos".

Khodorkovsky foi solto no ano passado mas a Yukos, que já chegou a valer 40 bilhões de dólares, foi separada e nacionalizada com a maioria de seus ativos eventualmente sendo passados à Rosneft, uma gigante de energia comandada por um aliado de Putin.

(Por Maria Kiselyova)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIASISTEMACONFISCO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.