Safra 2004/05:ponte bloqueada no Maranhão afeta entregas da Bunge

São Paulo, 2 - A Bunge Fertilizantes enfrenta neste momento um gargalo na logística para entrega de produtos nos pólos agrícolas de Balsas, Piauí e Pará. Segundo o diretor de operações da empresa, Maurício Sampaio, os fertilizantes para essa região são misturado em São Luís, capital do Maranhão, de onde são transportados para as regiões de plantio, via caminhão. Mas as entregas da Bunge Fertilizantes estão atrasadas desde meados de agosto devido a interdição parcial da ponte Marcelino Machado, sobre o Estreito dos Mosquitos, que faz parte da BR-135 e é o único acesso a São Luis por terra. Há cerca de 15 dias, foi encontrada uma rachadura em um dos pilares centrais da estrutura. De acordo com Sampaio, foi estabelecido um limite de tráfego de caminhões sobre a ponte, o que está provocando um caos na logística regional. Há notícias inclusive de falta de combustível no interior do Maranhão. Como solução provisória, a Bunge está negociando com o uso da ferrovia da Vale do Rio Doce para escoar a produção. "A idéia é colocar os caminhões em cima trem para que eles ao menos possam sair de São Luis". Sampaio disse que a empresa está muito preocupada com a logística para a distribuição de insumos e escoamento da próxima safra. "Estamos com projetos para ampliar o fluxo de exportação nos portos de Santos, Rio Grande e São Francisco do Sul, mas estamos ainda esperando as autorizações para fazer os investimentos. Outra coisa que estamos fazendo é ampliar nossa capacidade de armazenamento em várias regiões do País", disse o executivo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.