Santander adota desistência de ações judiciais

O banco Santander comunicou oficialmente nesta terça-feira, 14, ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ) a decisão de aderir à política de redução de litígios e deixar de recorrer em causas que já têm entendimento pacificado nos tribunais. A informação foi publicada no site do STJ.

AE, Agencia Estado

14 de maio de 2013 | 19h12

O material do STJ informa que decisão do banco foi comunicada oficialmente ao presidente do Tribunal, ministro Felix Fischer pelo vice-presidente de Assuntos Corporativos do Santander, Marco Antônio Araújo, e pela diretora jurídico-institucional, Adriana Cristina Papafilipakis. As equipes jurídicas do banco vão identificar, classificar e agrupar processos que tratam de matérias sumuladas ou de temas com jurisprudência consolidada no STJ, especialmente nas Turmas especializadas em direito privado.

Para o ministro Felix Fischer, a iniciativa do Santander representa uma "bela notícia". A Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil foram as primeiras instituições financeiras a adotar uma política de desistência de recursos em causas com entendimento já pacificado no STJ.

Conforme cita o STJ, Araújo informou que a estratégia não se limita aos tribunais superiores e será estendida aos Tribunais de Justiça estaduais. Há expectativa de que sejam fechados pelo menos 60 mil acordos no prazo de um ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.