Santander Brasil anuncia renúncia do presidente Marcial Portela

Jesús Maria Zabalza Lotina assumirá o cargo; Portela irá para a presidência do Conselho de Administração do banco

Leandro Modé, de O Estado de S. Paulo,

24 de abril de 2013 | 19h44

 

Texto atualizado às 21h10

SÃO PAULO - Dois anos e meio depois de assumir a presidência do Santander no Brasil, Marcial Portela está deixando o cargo. Ele será substituído por outro espanhol: Jesús Zabalza, que comandava a divisão América, sob a qual estão filiais como a da Argentina, do México, do Chile e do Uruguai. Aos 68 anos, Portela não vai se desligar totalmente do Brasil. Assumirá a presidência do Conselho de Administração do banco.

"A saída estava planejada desde que assumi a presidência executiva. O momento chegou", disse Portela ao Estado. Ele argumentou que a família inteira vive na Espanha, inclusive a mulher, que passa apenas um terço do tempo no Brasil.

O comando do Conselho de Administração permitirá que o executivo volte a viver em seu país de origem. "Nessa posição, acredito que conseguirei passar dois terços do tempo na Espanha", afirmou.

Zabalza será o terceiro presidente executivo do Santander no Brasil desde que o banco espanhol comprou o ABN Amro Real, em outubro de 2007. Antes dele, a instituição era liderada por Fabio Barbosa, oriundo do banco Real. Hoje, Barbosa preside o Grupo Abril.

Os 30 meses em que Portela comandou o Santander foram marcados pelo aumento da participação da filial brasileira nos resultados mundiais (hoje na casa de 26%) e por rumores de que a unidade poderia ser vendida para ajudar o grupo a cobrir perdas na Espanha – que vive o rescaldo da explosão de uma bolha de crédito.

Portela sempre negou as especulações, argumentando que o Brasil é, hoje, a maior unidade em termos de geração de lucro, à frente da própria Espanha.

O executivo avalia seu principal legado é a "criação de uma equipe muito forte, com visão estratégica da missão que está definida para o grupo no mundo". "Construímos bases sólidas para o crescimento de um banco comercial", disse.

Para ele, o ciclo de Zabalza será marcado justamente pelo crescimento em ambiente desafiador. "A indústria financeira está em transformação no Brasil", afirmou, referindo-se à queda da taxa básica de juros (Selic) para os níveis mais baixos da história.

Mundo novo. A avaliação não só de Portela, mas de analistas e executivos do sistema financeiro, é de que as instituições terão de revolucionar suas estruturas (sobretudo de custos) para manter os níveis de rentabilidade das últimas décadas.

"O problema é que a queda do juro, dos spreads e das tarifas aconteceu em uma velocidade muito superior à capacidade de os bancos se adaptarem a esse novo ambiente", diz um banqueiro concorrente do Santander. "Inevitavelmente, a rentabilidade será menor nos próximos anos, como já aconteceu no ano passado."

Para assumir o comando da filial brasileira, Zabalza vai deixar a divisão América. O Santander divulga hoje o balanço (no Brasil e no mundo) relativo ao primeiro trimestre de 2013.

Tudo o que sabemos sobre:
SantanderMarcial Portela

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.