Santander prevê aumento de 30% em 4 anos em rede no Brasil

Banco, que deve abrir 600 novas filiais até 2013, quer se transformar no líder "de serviços completos" no País

EFE,

04 de setembro de 2009 | 16h32

A filial brasileira do banco Santander deve abrir 600 filiais no Brasil nos próximos quatro anos, o que significa um aumento de cerca de 30% em sua rede, com o objetivo de se transformar no primeiro banco "de serviços completos" do país.

 

As informações fazem parte de um documento enviado para a Comissão de Valores dos Estados Unidos (SEC).

 

"Planejamos a abertura de 600 novas filiais até 2013, em nossas fortalecidas regiões sul e sudeste brasileiras, assim como em outras regiões onde temos uma massa crítica" de clientes, explica a entidade, que planeja abrir 15% de seu capital, através de uma oferta pública de venda de ações nos EUA e no Brasil.

 

Com essas medidas, o banco aumentará em 28,7% a rede de filiais, em comparação com 30 de junho, quando contava com 2.091 estabelecimentos no Brasil, além de 1.521 pequenos escritórios localizados nas instalações de empresas que são seus clientes.

 

"Tentaremos melhorar e ampliar os canais de distribuição para nossos produtos, através de nossa rede tradicional de filiais, assim como de vias alternativas de marketing e venda direta", explica a instituição, que, no final do junho, tinha 18.203 caixas eletrônicos no país.

 

Na documentação enviada à SEC, o banco afirma que 70% do dinheiro destinado à oferta pública de venda de ações será investido em infraestrutura, incluindo a abertura de filiais e de caixas automáticos, e utilizado para financiar operações de crédito.

 

Outros 20% serão usados para melhorar suas estruturas de financiamento e os 10% restantes, para aumentar seu capital.

 

"Nosso objetivo é ser o primeiro banco de serviços completos no Brasil, em termos de receita, rentabilidade e reconhecimento de marca, assim como em satisfação do cliente e força de trabalho", aponta o documento. EFE

Tudo o que sabemos sobre:
SantanderBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.