Philippe Wojazer/Reuters
Philippe Wojazer/Reuters

Sarkozy apresenta agenda do G-20 com foco em commodities

Para presidente francês, maiores economias precisam combinar novas medidas para conter a volatilidade nos mercados ou correrão o risco de revoltas populares

Reuters,

24 de janeiro de 2011 | 10h08

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, disse nesta segunda-feira, 24, em discurso sobre as metas do G-20, que as maiores economias do mundo precisam combinar novas medidas para conter a volatilidade nos mercados de commodities ou correr o risco de revoltas populares contra os preços de alimentos.

Falando a cerca de 300 diplomatas e jornalistas no Palácio do Eliseu, Sarkozy também expressou apoio a um imposto sobre transações financeiras, chamando tal medida de uma "questão moral", mas admitindo que a ideia tem muitos inimigos.

"Nós queremos regulação dos mercados financeiros primários de commodities", disse Sarkozy, que tem a presidência rotativa do G-20 em 2011.

"Como você pode explicar que nós regulamos o capital e não as commodities?" "Se nós não fizermos nada, corremos o risco de revoltas por alimentos nos países mais pobres e de um efeito desfavorável sobre o crescimento econômico global", disse ele.

Sarkozy tem um programa de três pontos para a presidência do G-20, incluindo combate à volatilidade dos preços de commodities, explorar mudanças ao sistema monetário mundial e reformar a governança econômica global.

Porém, o presidente parece ter conseguido um apoio insuficiente aos planos de tirar a economia mundial da dependência do dólar e estabelecer um "novo Bretton Woods".

"A França não deseja questionar o papel do dólar", disse Sarkozy, em um reconhecimento da forte resistência de Washington.

As sugestões de Sarkozy para criar uma estrutura institucional permanente para o G-20, em paralelo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial, também não ganharam muitos incentivos, transferindo o foco de sua liderança no G-20 para as commodities - tema que também deve ser popular nas eleições presidenciais da França em 2012.

A popularidade de Sarkozy se aproxima de mínimas recordes, por volta de 30%, e ele precisa conseguir resultados na presidência do G-20 para convencer o eleitorado de que merece outro mandato de cinco anos.

(Por Daniel Flynn e Catherine Bremer; reportagem adicional de Emmanuel Jarry e Yann Le Guernigou)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.