Sarkozy pede apoio para propostas da França sobre alimentos

Presidente da França pediu para que ministros da Agricultura aceitem aumentar transparência e supervisão dos mercados de commodities  

Filipe Domingues, da Agência Estado,

22 de junho de 2011 | 15h41

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, pediu nesta quarta-feira, 22, aos ministros de agricultura do grupo das 20 maiores economias do mundo (G20), reunidos em Paris, apoio para as propostas da França de limitar a volatilidade dos preços dos alimentos. Ele alertou que as medidas podem ajudar a reequilibrar o crescimento global.

"Ao remediar o problema da volatilidade nos mercados agrícolas e garantir a segurança alimentar para o mundo de hoje e de amanhã, estamos no processo de reequilibrar todo o edifício do capitalismo", afirmou Sarkozy, na abertura do encontro de ministros do G20, que ocorre hoje a amanhã.

Reiterando comentários que fez na semana passada junto à Comissão Europeia, em Bruxelas, sobre a agenda da presidência da França no G20 para a agricultura, Sarkozy disse que os preços dos alimentos estão "disparando" e colocando em risco a recuperação econômica global. Ele pediu aos ministros de agricultura que aceitem a ideia de aumentar a transparência dos mercados físicos de commodities, assim como a de supervisionar os mercados de derivativos de commodities alimentares.

"Os mercados de commodities estão entre os menos transparentes entre todos os mercados", criticou. As propostas da França incluem a criação de uma base de dados sobre os estoques e a produção de alimentos, semelhante ao sistema usado atualmente para o petróleo. "A falta de transparência fomenta a volatilidade."

Sarkozy admitiu que o aumento da produção global de alimentos seja importante para reduzir a volatilidade, mas insistiu que a expansão dos mercados de derivativos tem um papel na oscilação irregular dos preços. "Mesmo que não explique tudo, a financeirização dos mercados agrícolas é um importante fator que contribui para a volatilidade dos preços e a insegurança alimentar dos mais vulneráveis." Ele defende regulação mais rigorosa nos mercados de derivativos.

Para garantir a segurança alimentar e evitar crises, a França sugere aos ministros do G20 que concordem com um código de conduta para restringir as proibições de exportação de produtos agrícolas por razões humanitárias. Outra proposta envolve a criação de reservas internacionais de emergência, que seriam localizadas nas regiões mais vulneráveis do mundo. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
nicolas sarkozyalimentoseconomias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.