Reuters
Reuters

Scania volta a produzir em dois turnos e investirá mais R$ 1,1 bi até 2020

Segundo executivo da montadora, a fábrica voltou a produzir em dois turnos no mês passado; ritmo não era registrado desde 2013, ano em que o mercado de caminhões e ônibus cresceu pela última vez antes da crise

André Ítalo Rocha, O Estado de S.Paulo

20 Setembro 2018 | 04h00

HANNOVER - A fábrica da Scania no Brasil, localizada em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, voltou a produzir em dois turnos no mês passado, informou nesta quarta-feira, 19, o presidente da montadora para América Latina, Christopher Podgorski, durante o Salão de Hannover, na Alemanha.

O ritmo não era registrado desde 2013, ano em que o mercado de caminhões e ônibus cresceu pela última vez antes da crise. Até então, a fábrica operava em um turno só.

A operação em dois turnos diz respeito à montagem final dos veículos. As linhas de usinagem e cabine, por exemplo, a depender da sazonalidade, operam em três turnos.

O presidente da Scania informou também que, do plano de investimento de R$ 2,6 bilhões no Brasil entre 2016 e 2020, já foram desembolsados R$ 1,5 bilhão. Falta, portanto, investir R$ 1,1 bilhão nos dois anos restantes. Os aportes são principalmente para desenvolvimento de produtos e rede de distribuição.

O resultado da eleição presidencial, ele garantiu, não inviabiliza os investimentos. "Com o que já temos programados, não vejo a possibilidade de postergar ou cancelar aportes", disse. Mas acrescentou que, independentemente de quem vença, todo empresário quer "horizonte, previsibilidade e estabilidade". "Qualquer um que prover estas coisas está ótimo, mas, com o que as pesquisas eleitorais estão indicando, o cenário está complicado", afirmou.

Hoje, a Scania destina 70% da sua produção no Brasil para o mercado externo, apesar do crescimento do mercado interno. É um recorde para a montadora e para o setor. Isso ocorre porque a fábrica de São Bernardo produz caminhões iguais aos que são montados pela empresa na Europa. Então, quando o mercado europeu está aquecido e a fábrica europeia não consegue suprir outras regiões, a fábrica brasileira é acionada. É o que tem acontecido há três anos, quando o mercado europeu cresceu de forma consecutiva. "E eles estão caminhando para o quarto ano seguido de crescimento", disse Podgorski.

Por conseguir suprir demandas de regiões da Ásia, da África e da América Latina, a Scania tem sido pouco afetada pela crise da Argentina, o principal destino para outras montadoras instaladas no Brasil.

A Scania de São Bernardo vai terminar o ano de 2018 com produção de 27 mil unidades, das quais 30% são para o mercado brasileiro, 35% para demais países da América Latina e 35% para outras regiões do mundo. O principal destino é a Rússia, que deve receber 5,6 mil unidades em 2018. Para Argentina serão mandadas 2 mil unidades, mesmo nível do ano passado.

*O repórter viajou a convite da Anfavea, associação das montadoras instaladas no Brasil

Mais conteúdo sobre:
São Bernardo do Campo [SP] Scania

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.