Schincariol investe em cervejas premium e compra Eisenbahn

A segunda maior cervejaria do Brasil,Schincariol, fechou acordo para a compra da catarinenseEisenbahn, especializada em cervejas premium, voltando ainvestir no segmento após três aquisições em 2007. No ano passado, a Schincariol comprou as cervejariasespecializadas em marcas premium Baden Baden (São Paulo),Igarassu (Pernambuco) e Devassa (Rio de Janeiro). A Eisenbahn,fundada em 2002, tem uma fábrica em Blumenau e emprega 90pessoas. "A gente viu uma possibilidade de ver a marca ir prafrente, ter um reforço muito grande nas ações de marketing",disse Juliano Mendes, um dos principais acionistas da Eisenbahnem teleconferência com jornalistas. Sem revelar números específicos sobre a operação, o diretorde marketing da Schincariol, Marcelo Secco, informou que osegmento de cervejas premium do Brasil corresponde a apenas 2por cento do mercado total, que é dominado pela gigante AmBev,com quase 68 por cento de participação no mercado nacional. Segundo Secco, a aquisição da Eisenbahn, que distribui 13rótulos principalmente nas regiões Sul e Sudeste do país, foifeita com recursos próprios da Schincariol. O plano agora élevar as marcas da cervejaria catarinense para todo o país ereforçar as exportações para Uruguai, Estados Unidos eAustrália. "O foco vai ser Brasil, com grande atenção ao exterior",disse Secco sem dar mais detalhes. Em comunicado, José Augusto Schincariol, que integra oconselho diretor da Schincariol, afirmou que a Eisenbahncomercializa cerca 1,8 milhão de litros por ano, "mas temcondições de triplicar essa capacidade de produção no curtoprazo". Enquanto isso, a Schincariol tem capacidade de produçãode 4 bilhões de litros por ano. A Schincariol investiu no ano passado cerca de 1 bilhão dereais dos quais 600 milhões de reais em aquisição de ativos,novas marcas e aumento de produção, disse Secco. Para este anoa previsão de investimento é de 1 bilhão de reais. A Schincariol detém participação de 12,1 por cento nomercado de cerveja do país. (Reportagem de Alberto Alerigi Jr.)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.