Seae deve demorar 2 semanas para decidir sobre união de TAM e LAN

Segundo secretaria, faltam informações específicas sobre operações de cargas das empresas; união das companhias está sendo avaliada por autoridades brasileiras e chilenas

Célia Froufe e Renata Veríssimo, da Agência Estado,

22 de junho de 2011 | 16h05

A Secretaria de Acompanhamento Econômico (Seae) do Ministério da Fazenda deverá demorar mais duas semanas para concluir seu parecer a respeito da união entre as aéreas TAM (brasileira) e LAN (chilena) por conta de informações específicas a operações de cargas. "Precisamos mandar mais um questionário sobre a parte de cargas, pois, quando estávamos fechando (o documento), vimos que havia uma lacuna no que diz respeito às cargas leves", explicou o secretário Antonio Henrique da Silveira à Agência Estado, nesta quarta-feira, 22. Segundo ele, as respostas ao ofício já chegaram ao Ministério.

Em 1º de junho, Silveira havia dito que a análise estava "nas últimas etapas", mas a constatação da falta de dados sobre o segmento de cargas adiou a perspectiva da entrega do parecer. Na ocasião, ele evitou dar pistas a respeito da conclusão a qual chegou a Seae, mas enfatizou que a LAN tem uma participação maior no mercado chileno do que a TAM no Brasil. A união das companhias está sendo avaliada pelas autoridades dos dois países. "A gente se comunica bastante (com os órgãos antitruste do Chile), mas são avaliações independentes: não vou pautar o parecer da Seae pelo parecer do Chile ou vice-versa", afirmou.

No Brasil, após receber a avaliação da Seae, a operação passará pelo crivo da Secretaria de Direito Econômico (SDE) do Ministério da Justiça, e na sequência, pelo aval ou não do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). A união entre as empresas brasileira e chilena foi anunciada em agosto do ano passado.

Tudo o que sabemos sobre:
tamlanfusãouniãoseae

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.