Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Seara cria linha com cortes adequados à inflação para garantir lugar na ceia de natal

Segundo a empresa, as aves são o carro-chefe do feriado cristão, mas a marca também aposta em cortes suínos, que costumam fazer mais sucesso na virada do ano

Talita Nascimento, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2021 | 17h10

As festas de fim de ano prometem ser um reencontro para muitas famílias que optaram por fazer comemorações menores em dezembro de 2020. A expectativa da Associação Brasileira de Supermercado (Abras) é de que haja alta de 14% nas vendas de produtos natalinos neste mês, em comparação com o mesmo período no ano passado. No entanto, o conteúdo da ceia deve ser afetado pela inflação. Para conseguir um convite para a mesa do consumidor, a Seara, marca da JBS, investiu em lançamentos com pratos prontos menores e diferentes opções de carnes.

Dentre as tendências que motivaram a linha mais compacta estão o fato de as famílias brasileiras estarem diminuindo, bem como as comemorações terem ficado menores em razão da pandemia. “Além disso, é um momento de proteínas mais caras”, afirma Rafael Palmer, diretor de marketing de alimentos preparados da Seara.

Em vez de reduzir o tamanho das aves, a empresa optou por vender cortes e incrementá-los com temperos e molhos. No caso do frango natalino da marca — fruto de cruzamentos para deixá-lo com peito e coxas maiores —, a Seara passou a oferecer uma embalagem apenas com o peito do animal recheado.

Palmer conta que as aves são o carro-chefe do feriado cristão, mas que, para o Ano Novo, a marca oferece cortes suínos, que costumam fazer mais sucesso na virada do ano.

Para Evandro Alampi, responsável pela área de inteligência da GS Ciência do Consumo, os dados demográficos e de consumo vão ao encontro da tendência apontada pela fabricante. “As compras com menor quantidade de itens ganham mais espaço, tanto pela queda no poder de consumo das famílias, quanto na redução da demanda domiciliar”, afirma. 

Expectativa

A Seara espera superar o crescimento de vendas de 2020, que foi de 8% em volume e 23% em valor. A expectativa é baseada no desejo de reencontro da população que se privou de comemorações no ano passado.

Do lado dos supermercados, as vendas de novembro e dezembro serão determinantes para que o segmento atinja ou não a meta de crescimento do ano. Até outubro, o setor avançou 3,14% em volume de vendas no acumulado do ano. A projeção oficial, porém, aponta avanço de 4,5% até o fim de 2021.

Para o próximo ano, a Seara se prepara com reforço de proteínas mais baratas. A expectativa da empresa é de que o consumidor seja levado a substituir carnes mais nobres por produtos mais em conta, como embutidos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.