Secretário de Cabral destaca ativos do grupo X no Rio

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços do Rio de Janeiro, Júlio Bueno, disse ver com tristeza a crise do grupo X, de Eike Batista. O grupo tem uma série de investimentos no Estado, incluindo o estaleiro que recebeu mais de R$ 2 bilhões de investimentos e perdeu a maior parte de suas encomendas. "Há uma tristeza", disse. Bueno, no entanto, destaca que o Porto do Açu, o mineroduto e o Porto do Sudeste são três ativos ainda bastante promissores do grupo no Estado.

SABRINA VALLE, Agencia Estado

08 de julho de 2013 | 12h13

"Não tenho dúvida de que o Porto do Açu dará certo", disse, lembrando que já há mais de US$ 1 bilhão de investimentos de outras empresas no porto.

A presidente da Companhia de Desenvolvimento Industrial do governo do Rio de Janeiro (Codin-RJ), Conceição Ribeiro, disse que o Estado continua recebendo companhias interessadas em se instalar na retroárea do Porto do Açu, do empresário Eike Batista.

"Estamos recebendo empresas. Temos torcer para que isto ande", disse.

Bueno disse que Ternium e Anglo America estão entre as que avaliam instalar uma pelotizadora no Rio, aproveitando o mineroduto que trará minério para exportação. Bueno dá como certa a criação da pelotizadora, pela oportunidade de beneficiação do minério propiciada pelo mineroduto.

Bueno também destaca que o Porto do Sudeste, em Itaguaí, foi beneficiado pela flexibilização da Lei dos Portos.

Tudo o que sabemos sobre:
Grupo XJulio BuenoRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.