Segundo leilão de fontes alternativas de energia movimenta R$ 17,5 bilhões

Foram negociados 129,4 milhões de MWh por 50 usinas eólicas, 5 PCHs e 1 térmica a bagaço de cana

Wellington Bahnemann, da Agência Estado,

26 de agosto de 2010 | 16h03

Terminou o segundo leilão de fontes alternativas, que contratou a demanda complementar das distribuidoras em 2013. Segundo a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), a licitação movimentou R$ 17,5 bilhões e negociou 129,4 milhões de MWh. A CCEE informou que 56 usinas venderam no leilão, sendo cinco Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH), uma térmica a bagaço da cana-de-açúcar e 50 usinas eólicas. O preço médio da licitação ainda não foi divulgado.

Desse montante, 12,6 milhões de MWh são relativos a Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH), cujos contratos são de 30 anos. O preço médio foi de R$ 146,99/MWh, deságio de 5,16% em relação aos R$ 155/MWh iniciais. Os outros 116,7 milhões de MWh são referentes a térmica a biomassa e usinas eólicas, cujos contratos são de 20 anos. O preço médio foi de R$ 134,23/MWh, deságio de 19,6% em relação ao preço-teto de R$ 167/MWh. As usinas eólicas Costa Branca e Pedra Petra ofereceram o preço mais baixo do leilão, de R$ 130,43/MWh.

Os maiores vendedores do leilão foram a Iberdrola, que negociou a energia de nove usinas eólicas, e a empresa Asa Branca, que vendeu a energia de oito projetos eólicos. Outros grupos que comercializaram no leilão são Copel, a Galvão Engenharia, a Brennand e a Chesf, entre outros. A Amazonas Energia foi a maior compradora do leilão, com 36,219 milhões de MWh, seguida pela CEA (AP), com 34,002 milhões de MWh. As duas distribuidoras pertencem ao grupo Eletrobras.

Ainda hoje, o governo federal irá realizar a terceira fase do leilão de energia de reserva, cujas duas primeiras etapas foram realizadas ontem. Hoje, a disputa abre espaço para a venda da energia de usinas eólicas, de térmicas a biomassa e de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH), com início do fornecimento em 2013. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o preço-teto para biomassa é de R$ 156/MWh, para eólicas, R$ 167/MWh, e para PCH, R$ 155/MWh.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.