Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Sem acordo, republicanos rediscutem lei sobre dívida dos EUA nesta manhã

Esforços dos legisladores para elevar o teto da dívida norte-americana falharam no encontro de ontem

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

29 de julho de 2011 | 08h28

Os esforços dos legisladores para elevar o teto da dívida norte-americana falharam ontem, após a proposta de lei do presidente da Câmara dos Representantes, o republicano John Boehner, não atrair apoio suficiente para garantir sua aprovação na casa. A votação estava prevista para ontem e foi adiada.

Segundo um assessor dos republicanos, os líderes da Câmara marcaram um encontro com os membros do partido para esta manhã e devem discutir potenciais mudanças na legislação proposta por Boehner. Após o adiamento da votação, o líder do Senado, o democrata Harry Reid, disse que os democratas da casa também se reunirão nesta manhã.

Na pauta, está a elevação do teto da dívida dos EUA. O país atingiu o limite legal de endividamento público - deUS$ 14,3 trilhões emmaio. Em 2 de agosto, começa a vencer parte dessa dívida e o receio é de que os EUA não tenham dinheiro suficiente para pagá-la.

O adiamento ocorreu após líderes dos republicanos na Câmara reunirem-se por horas com os membros da convenção partidária que se opuseram ou estavam em dúvida quanto à proposta. Boehner, o líder da articulação política da maioria da Câmara, Kevin McCarthy, republicano da Califórnia, e o líder da maioria da Câmara, Eric Cantor, tentaram convencer partidários a encontrar um modo de avançar com a legislação.

O líder da articulação política da maioria da Câmara, Kevin McCarthy, disse que os legisladores "estão desperdiçando tempo e opções" ao não aprovarem a legislação antes do prazo de 2 de agosto e esperarem até a segunda-feira para aprová-la pode ter repercussão. As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
EUAtetodívida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.