Dario Oliveira/Estadão
Dario Oliveira/Estadão

Sem influência de mercados americanos, Ibovespa fecha em alta de 0,50%

Principal índice da Bolsa brasileira subiu com base nas perspectivas positivas para a economia do País após o IBC-Br divulgado pelo Banco Central apontar para expansão mais forte do PIB em 2017

Simone Cavalcanti, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2018 | 19h11

Sem o norte dado pelos mercados acionários de Wall Street, fechados em razão do feriado de Martin Luther King nos EUA, o Ibovespa foi conduzido pelas perspectivas mais favoráveis para a economia brasileira, após o Banco Central ter divulgado que o IBC-Br aponta para expansão mais forte do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017. A sessão desta segunda-feira, 15, também foi pautada pela influência técnica do vencimento de opções sobre ações.

O índice à vista fechou em alta de 0,51%, aos 79.752,37 pontos. O giro financeiro chegou a R$ 10,1 bilhões, contando com o volume gerado pelo exercício de opções sobre ações. Apenas o exercício movimentou R$ 4,761 bilhões. Do total, R$ 4,518 bilhões corresponderam a opções de compra e R$ 242,5 milhões a opções de venda.

++Votos pela reforma da Previdência 'estão vindo', só não estamos contando, diz Marun

Segundo Ignacio Crespo, economista da Guide Investimentos, como ponto positivo na agenda desta segunda-feira, o Índice de Atividade do Banco Central (IBC-Br) que acumulou alta de 0,97% em 2017 até novembro. No próprio mês, índice ficou em 0,49%, acima da mediana das estimativas dos analistas consultados pelo Projeções Broadcast, calculada em 0,43%, mas dentro do intervalo das previsões.

"Apesar da questão sazonal no mês, é um ritmo mais forte que reforça a perspectiva positiva para a atividade econômica neste ano, acima, inclusive, dos 2,7% projetados no Boletim Focus", disse. 

++Maia diz que não deverá ser necessário quebrar a 'regra de ouro' em 2019

André Moraes, da Clear Corretora, complementa que, muito embora a perspectiva positiva para a economia brasileira já esteja diluída nos últimos meses, o IBC-Br melhor reforçou essa sinalização. O analista ressaltou que os papéis de empresas dos  setores de Varejo e Construção Civil, muito ligados ao desempenho da atividade, se destacaram no pregão.

Entre as blue chips, a Vale ON operou e fechou perto da estabilidade (-0,18%), apesar da queda acentuada do minério de ferro, no porto de Qingdao na China, mas em sintonia com suas correlatas no mercado londrino. Já os papéis da Petrobras seguiram o sinal positivo das cotações dos futuros do petróleo no exterior e encerraram o pregão em alta contida, de 0,54% (ON) e 0,29% (PN).

VEJA TAMBÉM Juiz nega recurso da AGU para posse de Cristiane Brasil na pasta do Trabalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.