S&P 500 sobe com busca por barganhas; Boeing abate Dow

O índice Standard & Poor's 500 teve leve alta nesta terça-feira, com investidores buscando barganhas um dia depois de uma grande venda de ações.

CAROLINE VALETKEVITCH, REUTERS

23 de junho de 2009 | 18h32

Mas o Nasdaq fechou praticamente estável e um novo adiamento da aeronave 787 Dreamliner, da Boeing, manteve o Dow Jones no vermelho.

O indicador Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, recuou 0,19 por cento, para 8.322 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq teve oscilação negativa de 0,07 por cento, para 1.764 pontos.

Já o Standard & Poor's 500 subiu 0,23 por cento, para 895 pontos.

As ações que lideraram a baixa dos mercados na véspera, quando as bolsas de valores tiveram seu pior dia em dois meses, estiveram entre as que influenciaram positivamente nesta sessão, como as de bancos, energia e matérias-primas.

Os papéis do JPMorgan subiram 2,1 por cento, após caírem 6,1 por cento na segunda-feira, enquanto os do Bank of America avançaram 2,4 por cento, uma dia depois de despencarem 9,7 por cento.

As ações da Chevron tiveram valorização de 0,3 por cento, frente à queda de 3,4 por cento na véspera.

"O mercado realmente está tentando se estabilizar depois da queda muito forte de ontem", disse Michael Sheldon, estrategista-chefe de mercado da RDM Financial em Westport, Connecticut.

Ele afirmou ainda que, se o mercado for capaz de pelo menos evitar mais perdas após a baixa de segunda-feira, "isso será visto como algo positivo."

Os papéis do setor de energia também tiveram impulso com a alta de 2,6 por cento nos preços do petróleo.

O resultado da reunião de dois dias do Federal Reserve, que termina nesta quarta-feira, também manteve os investidores em clima de expectativa. A manutenção do juro próximo de zero é amplamente aguardada. Mas os players irão concentrar as atenções no comunicado, em busca de pistas sobre a perspectiva da autoridade monetária norte-americana para a economia.

Tudo o que sabemos sobre:
WALLSTFECHAATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.