S&P adverte que pode cortar rating da Grécia em até duas notas

Agência estuda corte no mês que vem, que pode rebaixar rating de longo prazo do país ao nível junk

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

24 de fevereiro de 2010 | 15h08

A Standard & Poor's alertou que poderá rebaixar a classificação da dívida soberana da Grécia em uma ou duas notas no mês que vem, o que poderia colocar o rating de longo prazo do país ao nível junk.

 

A Grécia tem déficit que ultrapassou 12% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano passado, quatro vezes o limite máximo definido pelas regras orçamentárias da União Europeia. As agências de crédito tornaram-se cada vez mais pessimistas sobre o país, que tem um histórico de má gestão da dívida.

 

Após o rebaixamento de seu rating em uma nota para BBB+ em dezembro, o governo grego apresentou este ano uma atualização do seu programa de estabilidade e também anunciou medidas adicionais - incluindo o congelamento dos salários do setor público e a elevação dos impostos sobre os combustíveis.

 

As medidas têm como objetivo reforçar a meta orçamentária grega de reduzir o déficit para 4% do PIB, tendo em vista o déficit registrado no ano passado, de 8,7% do PIB. A S&P considerou que as medidas são razoáveis para redução do fardo da dívida pública.

 

O analista da agência Marko Mrsnik alertou, porém, que as pressões adicionais no setor financeiro da Grécia teriam efeitos residuais. Segundo ele, a agência acredita que é muito provável que estes efeitos "coloquem uma pressão maior sobre os esforços do governo de consolidação fiscal, se ele quiser cumprir as metas orçamentárias".

 

Atualmente, a classificação da S&P está em BBB+, e a agência manteve sua observação para rebaixamento.

 

A Fitch Ratings também rebaixou o rating da Grécia para BBB+ em dezembro e manteve a perspectiva negativa da avaliação. No início de fevereiro, a Moody's Investors Service alertou que sua avaliação da Grécia - reduzida em uma nota, para A2, em dezembro - poderia ser rebaixada novamente. A avaliação da Moody's está duas notas acima em comparação com as outras agências.

 

Os líderes da zona do euro ofereceram até agora apenas uma promessa vaga de ajuda à Grécia. A Alemanha e a França estão muito relutantes em pagar pelo sistema livre de gastos grego e querem manter a pressão para que Atenas aprove as revisões dos impostos e das despesas públicas. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.