S&P eleva perspectiva para rating dos EUA de negativa para estável

Segundo a agência, o rating reforça a visão da força da economia dos EUA e do dólar como principal moeda de reserva no mundo 

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

10 de junho de 2013 | 11h07

TORONTO - A Standard & Poor's afirmou o rating de longo prazo AA+ e o rating de curto prazo A-1+ de curto prazo não solicitados dos EUA. A perspectiva para o rating de longo prazo foi revisada para estável, de negativa.

"Nossos ratings de crédito soberano dos EUA refletem primariamente nossa visão da força da economia e do sistema monetário americanos, bem como o status do dólar como a principal moeda de reserva do mundo", disse a agência em um comunicado.

A S&P afirmou que os ratings levam em conta "o nível alto da dívida externa dos EUA, nossa visão da efetividade, estabilidade e previsibilidade da elaboração de políticas e das instituições políticas e o desempenho fiscal dos EUA".

"Os EUA têm uma economia de alto rendimento, com um PIB per capita de mais de US$ 49 mil em 2012. Nós esperamos que a tendência da taxa de crescimento real do PIB per capita fique ligeiramente acima de 1%. Além disso, vemos a economia dos EUA como altamente diversificada e orientada para o mercado, com uma estrutura econômica adaptável e resistente, o que contribui para forte qualidade de crédito soberano", disse a agência.

Segundo a S&P, a perspectiva estável indica "nossa avaliação de que alguns dos riscos de deterioração de nossa classificação AA+ para os EUA diminuíram para o ponto em que a probabilidade de reduzirmos o rating no curto prazo está baixo de uma em três". A agência afirmou que não vê riscos materiais para a sua opinião favorável sobre a flexibilidade e eficácia da política monetária dos EUA. "Acreditamos que o desempenho econômico dos EUA vai igualar ou ultrapassar o de seus pares nos próximos anos. Nós prevemos que o posição externa dos EUA em uma base de fluxo não irá deteriorar-se." Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.