S&P só considerou efeitos de curto prazo das reformas, diz Espanha

Segundo Ministério de Finanças, a S&P deveria ter levando em conta as expectativas de que as medidas ajudarão a economia durante o médio prazo

Clarissa Mangueira e Danielle Chaves, da Agência Estado,

27 de abril de 2012 | 08h10

O governo espanhol discorda da decisão da agência de classificação de risco Standard & Poor's de rebaixar o rating do país em duas notas, anunciada ontem. Uma porta-voz da Ministério das Finanças espanhol disse que a empresa centrou foco apenas nos efeitos de curto prazo dos esforços de recuperação do país. Segundo ele, a S&P deveria ter levando em conta as expectativas de que as medidas ajudarão a economia durante o médio prazo.

O governo cortou os gastos e adotou um planos para uma mudança econômica fundamental com a finalidade de reduzir seu déficit.

A S&P afirmou ontem que o rebaixamento da nota para BBB+, de A, foi resultado de uma deterioração pior que a esperada da trajetória orçamentária da Espanha desde o ano passado, e a crescente possibilidade de que o governo precisará fornecer ajuda ao setor bancário, atingido pelo aumento das perdas no setor imobiliário.

O rating "centra foco somente nos efeitos imediatos, que não são positivos, como nós dissemos em ocasiões passadas", disse a porta-voz.

Apoio

A Comissão Europeia expressou hoje confiança de que a Espanha conseguirá implementar suas reformas. Steffen Seibert, porta-voz da chanceler alemã Angela Merkel elogiou os esforços da Espanha para lidar com seu déficit orçamentário, sem comentar diretamente sobre o corte do rating do país pela S&P.

"O governo tem a confiança e a segurança na Espanha e em sua determinação de fazer o que é necessário para superar os desafios da crise", disse Seibert durante entrevista coletiva regular. Ele destacou as reformas do mercado de trabalho e do setor bancário no país e os cortes de gastos no orçamento de 2012 do governo. "Essas são medidas que acreditamos que merecem respeito e aprovação", acrescentou.

Em uma entrevista separada, Pia Ahrenkilde, porta-voz da Comissão Europeia, afirmou que o órgão estava confiante na determinação da Espanha de cumprir suas metas orçamentárias neste ano e no próximo. "Nós estamos confiantes no comprometimento e determinação mostrados pelo governo espanhol em relação ao cumprimento de suas obrigações para atingir as metas estabelecidas para 2012 e 2013", disse Ahrenkilde. 

Juro sobe

O custo do seguro da dívida da Espanha e o preço exigido pelos investidores para manter bônus do país em vez de títulos da Alemanha, que são considerados mais seguros, aumentaram nesta manhã em reação ao rebaixamento do rating do país.

No começo do dia, o spread (prêmio) dos swaps de default de crédito (CDS) de cinco anos da Espanha subiu 18 pontos-base, para 486 pontos-base. O yield (retorno ao investidor) dos bônus espanhóis de 10 anos avançou 13 pontos-base, para 5,93%, se aproximando novamente do patamar preocupante de 6%.

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Espanharatingjuro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.